Cirurgias eletivas na rede estadual devem ser retomadas em três fases no Ceará

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), contudo, ainda não informou previsão de retorno para a realização dos procedimentos.

Legenda: De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), os pacientes com cirurgias marcadas previamente ainda deverão passar por teste da Covid-19
Foto: Helene Santos

O planejamento gradual de retomada das atividades cirúrgicas eletivas no Ceará foi compartilhado, na última quarta-feira (8), com as unidades hospitalares estaduais. De acordo com nota técnica da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), o retorno será gradual e dividido em três estágios. No primeiro, as atividades funcionarão somente até 50% dos níveis normais; no segundo, o número sobe para 75%, enquanto o terceiro e último estágio retoma a capacidade total. O avanço de cada etapa dependerá da quantidade de casos da Covid-19 no Estado.

 

Considerando a situação epidemiológica da unidade de saúde, assim como os insumos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), a retomada gradual deve respeitar as particularidades de cada serviço disponibilizado e seguir todas as medidas de segurança necessária para garantir a saúde tanto dos pacientes, quanto dos profissionais. 

Para as cirurgias eletivas serem realizadas, cada instituição deverá criar um protocolo próprio para a avaliação pré-operatória, seguindo os cuidados dos Protocolos Básicos de Segurança do Paciente, conforme a Portaria nº 2.095, de 24 de setembro de 2013. Nele, estão listados verificações de segurança e de paramentação dos EPIs.

De acordo com a Sesa, o Núcleo de Segurança do Paciente, assim como a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) de cada unidade, deverá avaliar os protocolos e divulgar os cuidados com as equipes multidisciplinares atuantes. 

Etapas

Com a cirurgia eletiva agendada, o paciente passará por uma avaliação, em que serão pesquisados sintomas da Covid-19, fatores de riscos associado ao coronavírus e se a pessoa teve contato próximo com algum caso confirmado da doença. Nessa etapa, também será ofertado um teste diagnóstico para a Covid-19.

Após o resultado da avaliação do paciente, a cirurgia precisará ser adiada até a recuperação do paciente se o teste RT-PCR for positivo. Conforme a Sesa, neste caso, deverá haver um debate entre a equipe técnica, explicando a situação para o paciente.

Se o teste der negativo para a Covid-19, e o paciente não apresentar outras doenças que poderão complicar o resultado da cirurgia, então o procedimento cirúrgico poderá ser realizado

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

Cuidados 

Durante as cirurgias eletivas, deverão ser evitadas as entradas e saídas desnecessárias no centro cirúrgico para evitar a contaminação dos pacientes e profissionais. O uso de EPIs, como máscaras, aventais e óculos de proteção, serão ainda mais reforçados durante as atividades operatórias

Além disso, a realização das cirurgias deverão ser revistas em relação aos riscos, havendo adoção de escalas racionais de trabalho a fim de evitar aglomeração de pacientes e equipes cirúrgicas, assim como de protocolos de funcionamento, higienização e disponibilidade de EPIs das unidades.