CE-010 é coberta por areia de dunas em Fortaleza; Governo aguarda permissão da Justiça para remoção

Com o objetivo de evitar acidentes, Estado recorreu à Justiça cearense para retirar porção de areia e aguarda resposta

Dunas da Sabiaguaba margeiam a CE-010
Legenda: Dunas da Sabiaguaba margeiam a CE-010
Foto: Carlos Marlon

Na Sabiaguaba, em Fortaleza, o asfalto da CE-010, que corta a Unidade de Conservação do Parque Nacional das Dunas, voltou a ser coberto pela areia. A situação é recorrente para quem transita em direção ao município de Eusébio e se repete desde a inauguração da via, em 2018. A Superintendência de Obras Públicas (SOP) informou ao Sistema Verdes Mares, que, por ora, não deverá remover a areia em cumprimento da liminar da 3ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Fortaleza.   

A determinação foi publicada em janeiro deste ano e proíbe município e Estado de realizar qualquer intervenção nas Dunas da Sabiaguaba. A informação foi divulgada pelo Ministério Público do Ceará (MPCE). Segundo o órgão, a ação determina ainda a reparação dos danos ambientais na Unidade de Conservação.   

Por conta da liminar, em agosto deste ano, a SOP solicitou a remoção da areia “por risco de acidentes”. Conforme a nota enviada, a Superintendência aguarda a permissão e garante que a operação deverá “retirar apenas a areia que está sobre a pista de rolamento”. Por enquanto, a prevenção de acidentes se dá pela sinalização nas vias adjacentes. Quem passa pelo local deve reduzir a velocidade nas proximidades da duna móvel. 

A Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) esclarece que a ação de remoção da areia acumulada na CE-010 objetiva exclusivamente a segurança viária e que está sob responsabilidade da Superintendência de Obras Públicas (SOP). Segundo a nota, o Conselho Gestor da Sabiaguaba apenas concede autorização para a intervenção na área e informa que segue todas as orientações da 3ª Vara da Fazenda Pública.  

Composto por manguezais e lagoas costeiras, o Parque Natural Municipal das Dunas da Sabiaguaba é o único sistema de dunas fixas e imóveis de Fortaleza, considerado área de preservação ambiental.  

Reprise   

Limpeza da CE-010 quando da última
Legenda: Limpeza da CE-010 quando da última "invasão" da areias da duna
Foto: Reprodução

Em ocasiões anteriores, a retirada da porção na pista foi adotada pela Prefeitura de Fortaleza. A última intervenção no local data de novembro de 2019. Com o auxílio de três caminhões e um trator, a SOP recolheu parte da areia. O processo foi criticado por ambientalistas, que alertam: remover a porção da duna é considerado crime ambiental.  

“Os biomas não podem mais estarem submetidos à mercantilização. Essas áreas tem que ser protegidas para melhorar a qualidade de vida das pessoas que moram nas imediações. Uma das alternativas seria a de informar com placas a dinâmica natural das dunas, diminuidores da velocidade, à noite, com luzes vermelhas”, orienta o professor Jeovah Meireles, do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Ceará (UFC).  

Ele adverte ainda que o trânsito da areia das dunas não é um fenômeno com data para acabar. “Isso é recorrente nessa época do ano pelos ventos. A longo prazo, as mudanças climáticas, vão tornar esses ventos mais frequentes”.  

Zona Ambiental  

A discussão jurídica sobre o asfalto corre desde a inauguração da pista. Em agosto de 2019, um ano após a liberação da via para trânsito, o MPCE ingressou com ação civil pública contra o Governo do Estado e a Prefeitura de Fortaleza para reparação ambiental no trecho. Entre os procedimentos pedidos, estava o estabelecimento de uma zona de duna adjacente às dunas já existentes naquela região, com volume de areia equivalente ao que foi removido da CE-010 (7.700 m³) em decorrência da construção da pista.    

O processo foi encabeçado pela promotora de Justiça Ann Celly Sampaio, através da 135ª Promotoria de Justiça de Fortaleza, que atua na esfera do Meio Ambiente e Planejamento Urbano. De acordo com o MPCE, o licenciamento ambiental das obras da rodovia foi concedido irregularmente, já que existe uma “permanente mortandade faunística e uma perene necessidade de se retirar a areia proveniente das dunas da rodovia. Logo, fica inequivocamente demonstrado que a instalação desse trecho de rodovia, a qual contou com a anuência do Estado do Ceará, foi extremamente prejudicial ao ecossistema local”. 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza


Redação 19 de Outubro de 2020
Redação 18 de Outubro de 2020