Avenida do Conjunto Ceará recebe o nome da menina Alanis Maria

Garotinha, de cinco anos de idade, foi raptada e morta em 2010, num crime que chocou Fortaleza

Escrito por Redação,

Metro

Uma homenagem em memória de Alanis Maria Laurindo de Oliveira. Por meio de decreto municipal - de autoria do vereador Elógio Neto (PSC) -, a antiga Avenida B, do Conjunto Ceará, passa a ter o nome da menina que aos 5 anos de idade, em 7 de janeiro de 2010, foi sequestrada, estuprada e morta por Antônio Carlos Xavier, o “Casim”. O crime chocou Fortaleza.

Alanis foi sequestrada enquanto brincava no pátio da Igreja  Nossa Senhora da Conceição, no Conjunto Ceará, bairro onde nasceu e viveu até aquela data. O corpo foi localizado em um matagal, próximo ao canal do Antônio Bezerra.

Alanis brincava na entrada da igreja enquanto os pais rezavam na missa. Antônio Carlos é acusado de estuprar uma outra menina de 5 anos em 2000. O estuprador aproveitou o momento em que os fiéis se cumprimentavam na missa para pegar a menina pela mão e deixar o local.
 
De acordo com as testemunhas ouvidas no inquérito policial, o réu, "sempre prometendo que levaria a menina para mãe", andou pelo bairro Bonsucesso, foi até o Terminal do Antônio Bezerra e só depois ao matagal na Rua Rui Monte, no bairro Antônio Bezerra, onde a criança foi encontrada morta. A denúncia do Ministério Público também afirma que o réu teria estuprado, causado traumatismo craniano e asfixiado Alanis Maria.
 
Na época, o Ministério Público do Estado do Ceará (MPECE) não se convenceu de que Antônio Carlos tenha transtorno mental, com avaliação de maníaco sexual, de acordo com declarações do promotor Sílvio Lúcio Lima.