70% dos eventos adversos após a vacinação contra Covid no Ceará são em mulheres; entenda os motivos

Todas as reações causadas pela vacinação no Estado foram leves, de acordo com a Secretaria da Saúde

Reação vacina Covid
Legenda: Dany teve reações leves após tomar 1ª dose da vacina contra a Covid
Foto: Kilvia Muniz

Por razões biológicas, mulheres predominam entre os casos suspeitos de eventos adversos pós-vacinação (EAPV) contra a Covid: das 1.707 notificações entre 18 de janeiro e 14 de julho, 1.200 foram entre pessoas do sexo feminino, o correspondente a 70%.

Os dados foram enviados pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), com base nos registros do sistema e-SUS. Conforme o levantamento, cearenses de 94 municípios tiveram casos suspeitos de EAPV.

Até esta quarta-feira (21), foram registradas no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) 3.553.540 doses aplicadas no Ceará. Do total, 2.043.004 mulheres (57,4%) foram em mulheres e 1.510.536 em homens (42,5%).

0,041%
é a proporção de cearenses que tomaram a D1 contra a Covid e tiveram algum efeito colateral registrado. 0,016% reagiram à D2.

Após driblar o “medo” e receber a 1ª dose da imunização no dia 2 deste mês, em Fortaleza, a cabeleireira Dany Calixto, 34, sentiu sonolência, moleza no corpo e ficou com o braço dolorido por dois dias – sintomas irrelevantes se comparados aos da Covid-19.

Eu já sabia que poderia sentir, porque tinha ouvido falar de outras pessoas. Fiquei com medo, mas tinha que tomar a vacina. Eu passaria até 15 dias com esses sintomas, mas não queria ter Covid novamente.
Dany Calixto
Cabeleireira

A certeza vem da experiência: em abril de 2020, Dany e outras três pessoas da família contraíram o novo coronavírus. Amargaram 15 dias de cansaço e de todos os outros sintomas típicos da doença – mais graves que a reação ao imunizante.

Organismo mais “reagente”

O padrão dos dados se repete em outros locais. Nos Estados Unidos, estudo realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) identificou que 78,7% dos 6.994 eventos adversos às vacinas contra Covid ocorreram em mulheres. 

O levantamento considera as 13,7 milhões de doses aplicadas entre 14 de dezembro de 2020 e 13 de janeiro de 2021, primeiro mês de campanha de imunização naquele país. Do total, 8.436.863 (61,2%) foram aplicadas em mulheres.

O imunologista Tadeu Sobreira explica que “o sistema imunológico das mulheres reage mais fortemente” em relação a qualquer tipo de vacina, não apenas da Covid, e que, por isso, “existe maior chance de resposta inflamatória e efeitos colaterais”.

O médico exemplifica que as doenças autoimunes (quando anticorpos atacam células saudáveis) são mais comuns entre as mulheres. Por razões biológicas, então, “já era esperado que elas tivessem mais reações”, mas isso não significa que terão melhor imunidade.

Mulheres têm maior reatividade ao estímulo da vacina, e isso deve ser favorável, mas nenhum dado aponta que elas têm mais anticorpos neutralizantes do que homens.
Tadeu Sobreira
Médico imunologista

Para Tadeu, contabilizar os casos de eventos adversos é importante para que se tenha conhecimento sobre os efeitos e sobre como e quando intervir clinicamente – mas do ponto de vista epidemiológico, “não são relevantes”.

Reações leves

De todos os 1.707 casos notificados, 1.087 já foram investigados: mais da metade (51,7%) eram “esperados”, como febre, dor de cabeça e sonolência; e outros 42,4% foram “coincidentes”, ou seja, não foram causados pela aplicação do imunizante. 

De acordo com a Sesa, 954 dos 1.084 eventos já avaliados (88%) foram leves, e 133 foram graves (12%). Nenhum evento grave teve causa atribuída à vacina, ou seja, todos foram "coincidentes".

Os “erros de imunização”, quando a vacina é aplicada com intervalo inadequado ou são dadas doses de “marcas” diferentes, respondem por 59 registros (5,4%). Outros cinco casos (0,5%) foram dados como “inclassificáveis”.

1.506
cearenses tiveram reação após a 1ª dose do imunizante. Os 201 restantes manifestaram sintomas depois da 2ª.

De acordo com a Sesa, a recomendação é comunicar qualquer sintoma que apareça até 30 dias após a imunização. Pessoas com reação pós-vacina podem ser atendidas por meio do Plantão Coronavírus, via WhatsApp, pelo (85) 98439-0647.

Após avaliação do quadro, “o feedback é realizado pelo município, com as orientações pertinentes a cada caso”, como aponta a secretaria estadual.

Os sintomas mais comuns registrados nos pacientes notificados e confirmados com as reações adversas pela vacina são: 

  • Febre;
  • Cefaleia;
  • Mialgia (dor no corpo);
  • Calafrios;
  • Diarreia;
  • Desconforto abdominal;
  • Edema (inchaço); 
  • Dor localizada;
  • Náusea;
  • Prurido (coceira);
  • Sonolência.

Vacina para todos

O imunologista Tadeu Sobreira reforça que “ocorrerem efeitos adversos a vacinas é normal, já que elas induzem um estímulo forte ao sistema imunológico”, mas que um cálculo mais importante é o que realmente deve ser feito.

A conta que tem que ser feita é o efeito colateral versus o risco de uma pessoa não vacinada adoecer, gerar variantes, transmitir a outras e vir a óbito. Isso é que tem que ser equacionado.

O médico frisa que, no contexto brasileiro, “não tem justificativa” para escolher ou recusar imunizantes, uma vez que “está provado que os países que vacinaram eficaz e rapidamente reduziram os números de mortes e casos”.

“O único caminho que se conhece dentro da ciência para reduzir ou acabar a epidemia é a vacinação. Os outros mecanismos são muito importantes, mas o realmente eficaz é a vacinação eficiente e rápida”, finaliza.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados