Rússia invade a Ucrânia na madrugada desta quinta-feira; Kiev soa sirene para alertar sobre ataques

Putin já havia autorizado uma operação especial no leste da Ucrânia; presidente russo ameaça quem tentar interferir no conflito

Legenda: Rússia disparou mísseis contra fronteiras e infraestrutura
Foto: Handout / KREMLIN.RU / AFP

Durante a madrugada desta quinta-feira (24), a Ucrânia declarou que o ataque da Rússia teve início em seu país. Conforme anunciado em plantão da Globo, agências de notícia relataram que explosões foram ouvidas em Kiev, capital da Ucrânia.

Próximo das 1h30 da madrugada, no horário de Brasília, a Ucrânia ainda acrescentou que cerca de dez regiões do país já foram atacadas. Os aeroportos estão sendo os alvos prioritários.

Segundo jornalista da AFP, fortes explosões foram ouvidas nesta quinta-feira no centro de Kiev e em outras cidades ucranianas depois do presidente russo, Vladimir Putin, anunciar a operação militar contra a Ucrânia.

Legenda: Policiais e seguranças inspecionam restos de um projétil em uma rua em Kiev
Foto: Sergei SUPINSKY / AFP

Às 2h08 da manhã, no horário de Brasília e 07h08, no horário da Ucrânia, sirenes foram acionadas em Kiev, para alertar sobre possíveis ataques na capital.

Já próximo das 3h da manhã, quase 8h horas da manhã na Ucrânia, a agência de notícia Reuters detalhou que o país conseguiu derrubar cindo aviões e um helicóptero russos no leste do país. No entanto, a Rússia negou essa informação logo depois.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, acusou Putin de iniciar uma "invasão em grande escala" contra seu país.

"Cidades ucranianas pacíficas estão sob ataque", tuitou Kuleba. "É uma guerra de agressão. A Ucrânia se defenderá e vencerá. O mundo pode e deve parar Putin. Agora é a hora de agir", acrescentou.

ATAQUES RUSSOS

A cidade portuária de Mariupol, a principal metrópole controlada por Kiev perto da linha de frente no leste do país, também registrou fortes explosões. 

Os ataques também foram ouvidos em Odessa, no Mar Negro, e em Kharkov, a segunda maior cidade do país, perto da fronteira com a Rússia, confirmaram os jornalistas da AFP.

Em Kramatorsk, cidade que serve de quartel-general para as forças ucranianas, foram ouvidas pelo menos quatro fortes explosões, apontaram jornalistas da AFP.

OPERAÇÃO ESPECIAL 

O presidente da Rússia, Vladimir Putin já havia autorizado operação especial no leste da Ucrânia. O presidente havia pedido aos soldados ucranianos para depor as armas. "A verdade está do nosso lado. Os objetivos serão atingidos", declarou.

Putin autorizou, às 23h57 da última quarta-feira (23), a operação especial em Donbass, no leste da Ucrânia. De acordo com o g1, o presidente chegou a declarar que “os conflitos entre a Rússia e as forças ucranianas são inevitáveis, é apenas uma questão de tempo”.

Ele ainda disse que seu país não iria tolerar o que chamou de "ameaças da Ucrânia" e alertou contra a interferência estrangeira.

Pouco após o anúncio de Putin, começaram relatos na imprensa de sons de explosões e artilharia nas cidades ucranianas de Kharkiv e Kiev.

VOOS CANCELADOS

Voos são cancelados no aeroporto russo de Rostov, perto da fronteira com a Ucrânia. As autoridades russas cancelaram nesta quinta-feira (24) os voos para grandes cidades no sul do país, perto da fronteira com a Ucrânia, onde Moscou iniciou uma operação militar, informaram agências de notícias russas.

Dentre os destinos dos voos cancelados estão: Rostov, Krasnodar, Sochi e Anapa, cidades perto da Ucrânia ou ao longo do Mar Negro.

O Ministério da Infraestrutura da Ucrânia anunciou o fechamento do espaço aéreo do país "por causa do alto risco de segurança", interrompendo o tráfego civil logo após a meia-noite.

Legenda: Imagens do espaço aéreo da Ucrânia durante ofensiva da Rússia registra desvio de voos sobre os países
Foto: Reprodução

SIRENES EM KIEV

A cidade de Kiev amanheceu com o som das sirenes alertando o risco de mísseis e ataques na capital da Ucrânia. Após pelo menos duas explosões serem ouvidas, as sirenes ecoaram para alertar os cidadãos sobre os bombardeios. 

De acordo com a AFP, os moradores correram para as estações subterrâneas do trem em busca de abrigo e o governo decretou lei marcial.

Além disso, a capital também registrou congestionamentos em vias principais, com trânsito parado. No entanto, os ucranianos foram alertados pelo governo à permanecer em casa. 

IMPACTOS ECONÔMICOS

O preço do petróleo superou nesta quinta-feira (24) os 100 dólares pela primeira vez em mais de sete anos, depois que o presidente russo, Vladimir Putin, lançou uma ofensiva militar contra a Ucrânia

Enquanto isso, as bolsas de valores de Moscou e São Petersburgo suspenderam suas operações horas depois de Putin anunciar o início das operações.

O barril do Brent alcançou os 100,04 dólares após o anúncio, que intensificou os temores de um conflito em larga escala no leste europeu. O petróleo WTI era cotado a 95,54 dólares o barril. 

A ameaça de uma guerra despertou nas últimas semanas temores sobre o abastecimento de produtos básicos chave, como trigo e metais, em meio a uma demanda crescente na reabertura das economias, após os fechamentos provocados pela pandemia.

ANÚNCIO DE PUTIN

Em meio ao anúncio, o presidente russo disse às forças ucranianas para depor as armas e retornar para casa, de acordo com as agências de notícias estatais RIA-Novosti e TASS.

"Toda responsabilidade será do regime da Ucrânia. Todas as decisões já foram tomadas. É necessário se adaptar as mudanças que aconteçam. A verdade está do nosso lado. Os objetivos serão atingidos".
Vladimir Putin
Presidente da Rússia

O presidente russo ainda ressaltou que a responsabilidade por qualquer derramamento de sangue em potencial recairá na consciência do governo ucraniano. Além disso, compartilhou a confiança dos militares russos para cumprir seu dever.

REAÇÃO ESTADUNIDENSE

Após o posicionamento de Putin, os Estados Unidos reagiram imediatamente ao caso, declarando que o ataque russo é injustificável e que o país pagará pelo que está causando ao mundo.

“As orações de todo o mundo estão com o povo da Ucrânia esta noite, que sofre um ataque não provocado e injustificado das forças militares russas. O presidente Putin escolheu uma guerra premeditada que trará uma perda catastrófica de vidas e sofrimento humano. A Rússia sozinha é responsável pela morte e destruição que este ataque trará, e os Estados Unidos e seus aliados e parceiros responderão de forma unida e decisiva. O mundo responsabilizará a Rússia", diz comunicado do presidente Joe Biden divulgado após o anúncio de Putin.

Na quarta-feira (23), o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, já tinha alertado que a Rússia poderia invadir a Ucrânia antes do fim da noite de ontem. "Tudo parece estar pronto para a Rússia se envolver em uma grande agressão contra a Ucrânia", apontou.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo