Médico acusado de estuprar pacientes chamou vítima de "perturbada emocionalmente", revela denúncia

A reportagem do Diário do Nordeste apurou que o médico de 71 anos de idade foi formalmente denunciado pelo Ministério Público do Ceará (MPCE) nesta sexta-feira (9). Defesa do acusado afirma que acusações são "frágeis" e "sem coerência"

Escrito por Emanoela Campelo de Melo, emanoela.campelo@svm.com.br

Segurança
mulher vitima medico
Legenda: A mulher saiu da consultório chorando e à procura da irmã. A jovem correu ao banheiro, onde foi encontrada em estado de choque, nervosa, tremendo e chorando
Foto: Shutterstock

O Ministério Público do Ceará (MPCE) denunciou o médico ginecologista Antônio Alves de Freitas, de 71 anos, preso em Orós, por estupro. A acusação foi registrada nesta sexta-feira (8) após a Polícia Civil do Ceará indiciar Antônio Alves. A denúncia é referente a um dos casos mais recentes que levou o homem à prisão. De acordo com a vítima, no dia 29 de março de 2022, o médico praticou conjunção carnal durante consulta no Hospital Luzia Teodoro da Costa, se aproveitando da função dele.

A vítima de 21 anos, de identidade preservada, estava prestes a se submeter a um procedimento cirúrgico íntimo, quando o homem ordenou que ela retirasse a roupa e se aproveitou para penetrar o pênis enquanto ela estava estava de costas. O denunciado negou a conduta e declarou que a mulher era "um pouco perturbada emocionalmente".

A cena do abuso sexual chegou a ser vista pelas auxiliares. O acusado dispensou presença das auxiliares, insistindo para avaliar a paciente sozinho. Uma técnica de enfermagem chegou a bater na porta, mas foi impedida de entrar. Em seguida, uma enfermeira também foi ao local para pegar uns materiais e viu a vítima nua em cima da maca.

A defesa do médico afirmou que "as acusações são frágeis e não encontram coerência alguma". "O meu cliente tem uma enorme folha de serviços prestados nas últimas décadas sem qualquer nódoa em seu currículo. No momento da ampla defesa e do exercício do contraditório a verdade real será restabelecida", afirmou o advogado Fabrício Moreira, responsável pela defesa do médico Antônio Alves de Freitas.

PERGUNTOU COMPRIMENTO DO PÊNIS DO NAMORADO DA VÍTIMA

De acordo com a jovem, enquanto estava a sós na sala, o médico fez indagações impertinentes e "mostrou interesse anormal, fora da relação paciente/médico, questionando-a sobre o comprimento do pênis do seu namorado e com quantas pessoas já havia se relacionado".

"Foi informada pelo acusado sobre a realização de uma medição, permanecendo nua e deitada, quando sentiu uma coisa a penetrá-la, e, ao ver tratava-se do pênis do acusado penetrando em sua vagina. Relata a vítima que, mesmo contraindo com força as pernas, para não permitir que o acusado continuasse a prática, o mesmo, sem uso de preservativo, forçava a penetração e pedia que a vítima relaxasse, configurando-se a violência real contra a vítima, que já tentava reagir contra os abusos do denunciado"
MP

A mulher saiu da consultório chorando e à procura da irmã. A jovem correu ao banheiro, onde foi encontrada em estado de choque, nervosa, tremendo e chorando. 

Para o MP, não há dúvida que Antônio Alves manteve a conjunção carnal, mediante violência e se aproveitando da situação de vulnerabilidade da vítima, "uma vez que a vítima estava trancada na sala de parto, nua e deitada numa maca, posição que dificultava sua defesa".

INVESTIGAÇÃO

O médico foi preso em flagrante e solto ao pagar R$ 30 mil de fiança. Dias depois, já quando a PCCE instalou força-tarefa para apurar o caso, o acusado foi novamente detido, por força de mandado de prisão. De acordo com o delegado Glauber Ferreira, que está a frente das investigações, outras vítimas também entraram em contato com as autoridades para denunciar o mesmo médico.

"Encaminhados os primeiros indiciamentos. Quando ele foi solto pela primeira vez, algumas vítimas desistiram de formalizar a denúncia. Ressaltamos a importância delas nos procurarem. Estamos voltados a apurar minuciosamente cada um dos casos. Já sabemos que há vítimas de vários municípios e de diferentes anos"
Glauber Ferreira
Delegada

viatura
Foto: Divulgação/PCCE

No dia que o caso repercutiu na imprensa, a Secretaria Municipal de Saúde de Orós, responsável pela gerência do Hospital e Maternidade Luzia Teodoro da Costa, emitiu nota afirmando que o médico detido é plantonista da unidade e foi imediatamente afastado do plantão e desligado do quadro de funcionários do Município. 

"O Município não compactua com qualquer desrespeito aos seus munícipes e orienta todos os profissionais das mais diversas áreas a bem atender as demandas da população prezando sempre pela: moralidade e eficiência no fornecimento de serviços", disseram por nota.