Tradicional missa do Padre Cícero volta a aglomerar fiéis, em Juazeiro do Norte

A celebração, realizada todo dia 20 de cada mês, acontece em memória da alma do Padre Cícero

Legenda: Desde sua morte, em 20 de julho de 1934, se tornou forte tradição no Município, fazendo com que os fiéis vistam preto durante a celebração religiosa.
Foto: Valéria Alves

A segunda celebração em memória à morte de Padre Cícero realizada após a flexibilização das medidas de isolamento social, em Juazeiro do Norte, foi marcada mais uma vez por aglomeração de dezenas de fiéis. A concentração dos católicos aconteceu mesmo após o apelo da Basílica de Nossa Senhora das Dores, que pediu para que a celebração fosse acompanhada pela internet. A missa é realizada todo dia 20 de cada mês no largo da Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde o sacerdote está sepultado.

A celebração desta terça-feira (20), realizada no interior do templo religioso, foi transmitida pelas redes sociais e, ao mesmo tempo, pelos alto-falantes da capela, o que acabou atraindo um grande número de fiéis.  

Ontem, o próprio reitor da Basílica de Nossa Senhora das Dores, Padre Cícero José, foi a público pedir que as pessoas acompanhassem a missa em casa, pela TV, mas isso não aconteceu.

  “Ainda estamos em tempo de enfrentamento ao covid-19 e, para preservar a vida, realizaremos em formato virtual. Não podemos esquecer que o coronavírus não acabou e os cuidados para evitar sua proliferação se fazem necessários”, ressaltou.  

Padre Cícero José mais uma vez lamentou o ocorrido e disse que "desde o início da pandemia, orientamos, insistentemente, para que os fiéis participassem desta tradicional celebração de suas casas, pelos meios de comunicação social". O reitor da Basílica reconhece a importância deste ato de fé para os devotos do Padre Cícero, "mas também temos consciência de que o nosso compromisso, enquanto Igreja Católica, é zelar pela vida de todos".

O religioso acrescentou que "a Comunidade Sacerdotal da Basílica sempre uniu forças na conscientização do povo a ela confiado, rezando para que a vacina seja descoberta e logo tudo isso passe. Até lá, continuaremos com as transmissões pelos meios de comunicação".

O Sistema Verdes Mares entrou em contato com a Basílica de Nossa Senhora das Dores, através da assessoria de comunicação da Diocese de Crato, questionando o uso dos alto-falantes e se eles podem estar atraindo os fiéis até à celebração, mas não obtivemos retorno até a publicação desta matéria.  

Reincidência

A cena de hoje se repetiu em setembro. Após a autorização do funcionamento das igrejas, devotos se reuniram espontaneamente no mesmo local, mas, segundo a Basílica, o público esteve reduzido a 50% do habitual. Inicialmente, a missa seria campal, mas a Basílica preferiu realizar a cerimônia de portas fechadas como medida protetiva. Dentro da Capela só a equipe de liturgia e o setor de comunicação da Basílica e da TV Padre Cícero.    

As celebrações religiosas com a presença de fiéis foram liberadas, nas 57 paróquias da Diocese de Crato, que inclui a Basílica de Nossa Senhora das Dores, em 16 de setembro. As missas devem estar limitadas a 50% da capacidade, observando medidas de segurança, como o distanciamento entre cada participante, uso de máscaras e disponibilidade de álcool em gel no local.      

A Basílica de Nossa Senhora das Dores destaca que as pessoas de grupo de risco devem seguir acompanhando a programação pela TV Web Mãe das Dores, em casa. Os fiéis que desejam participar das celebrações de forma presencial nos finais de semana deverão se inscrever na Secretaria de Basílica. Na Capela do Socorro, aos sábados (às 17h) e domingos (6h e 17h), a missa é campal, sem necessidade de inscrição. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará