Registro raro de primata ameaçado de extinção é realizado na Serra das Almas, em Crateús

A perda de habitat e a caça dos guaribas-da-caatinga são fatores de risco para a conservação da espécie de macacos

guaribas
Legenda: Os animais se alimentam de frutos, folhas, sementes, flores e cascas.
Foto: Reprodução/Projeto Guariba/Associação Caatinga

Sendo um dos últimos refúgios da espécie no Brasil, os guaribas-da-caatinga tiveram registros fotográficos inéditos na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Serra das Almas, localizada entre Crateús, no Ceará, e Buriti dos Montes, no Piauí, com 6.285 hectares. Este raro tipo de primata está ameaçado de extinção, visto que a perda de habitat e a caça dos animais são fatores de risco para os macacos.

O registro foi realizado em dez armadilhas fotográficas, que funcionam com sensores de movimento e de calor, por pesquisadores do Projeto Guariba em parceria com a Associação Caatinga, por meio da ação No Clima da Caatinga. O objetivo é monitorar e conservar a espécie de médio porte Alouatta ululata no local.

guariba3
Legenda: Por possuir o osso hioide, os primatas conseguem emitir sons poderosos que podem ser ouvidos a até três quilômetros de distância.
Foto: Reprodução/Projeto Guariba/Associação Caatinga

O estudo de Robério Freire Filho, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), indica ainda que a população dos guaribas-da-caatinga ainda é pequena na RPPN, com cerca de dez indivíduos.

“A distribuição atual [dos animais] está muito restrita, muito limitada. No Maciço da Meruoca ele já não ocorre, apenas em alguns pontos como na Serra no Coreaú, em Massapê, mas situações muito pontuais, muito restritas, populações muito pequenas e extremamente ameaçadas pela caça que ainda existe no Ceará e pela perda de ambiente”, explicou o pesquisador em entrevista ao Diário do Nordeste em março de 2021.

A espécie

De acordo com o coordenador de conservação da Associação Caatinga, Gilson Miranda, os guaribas-da-caatinga gostam de ficar na parte superior das árvores altas, entre 10 a 15 metros de altura, e “precisam de locais que tenham um certo nível de conservação para que eles possam ocupar, por isso também que é difícil o registro”.

guariba2
Legenda: Espécie está ameaçada de extinção devido à caça e à perda de habitat natural.
Foto: Reprodução/Projeto Guariba/Associação Caatinga

Conforme o órgão, a vocalização é uma das principais características dos animais. Por possuir o osso hióide, os primatas conseguem emitir sons poderosos que podem ser ouvidos a até três quilômetros de distância. Além disso, eles são animais arborícolas e se alimentam de frutos, folhas, sementes, flores e cascas.

Neste sentido, Miranda esclarece que as fotografias dos macacos comprovam a eficácia do trabalho realizado pela instituição há 20 anos, funcionando como um refúgio para a fauna e a flora. “É importantíssimo o apoio de projetos como esse pra preservação da natureza”.

Além disso, o trabalho de preservação dessa espécie e de outras acontece por meio da manutenção e do cuidado com a área. “Então nós temos funcionários que se dedicam diariamente a cuidar dessa área bem extensa”, comenta Gilson.

guariba-da-caatinga
Legenda: A espécie gosta de ficar na parte superior das árvores altas, entre 10 a 15 metros de altura.
Foto: Reprodução/Projeto Guariba/Associação Caatinga

“Vai desde o cuidado para evitar incêndios florestais, como também para evitar a caça dentro da nossa área. Então há todo um trabalho na educação ambiental realizado com o entorno da unidade para que as pessoas consigam ver essa área como algo que traga benefício a elas e que está realizando um trabalho em prol de todos”, prossegue.

Associação Caatinga

Segundo Gilson Miranda, a Associação Caatinga atua desde o ano 2000, com a implantação da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Serra das Almas. Atualmente, a instituição conta com inúmeros projetos socioambientais, sendo um dos principais o No Clima da Caatinga, que opera desde 2010 com as comunidades do entorno. 

macaco
Legenda: Projeto serve como refúgio para a fauna e a flora.
Foto: Reprodução/Projeto Guariba/Associação Caatinga

“Esse projeto é patrocinado pela Petrobras através do programa Petrobras Socioambiental. Tem o apoio à criação e gestão de áreas protegidas; trabalhamos também dentro de reflorestamentos; disseminação de tecnologias socioambientais; a educação ambiental; o fomento à pesquisa; a articulação de políticas públicas e ambientais; e a comunicação”, detalha o coordenador.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará