Missão Velha completa 89 anos de emancipação política; faça tour virtual pelos pontos turísticos

A origem do seu nome se deu a partir do deslocamento dos primeiros catequistas, entre 1723 e 1727, quando houve uma grande seca no Cariri

Foto: Roberto Júnior

Foi no início do século XVIII que os primeiros homens brancos se estabeleceram no Sul do Ceará. As primeiras ocupações aconteceram nas proximidades da Cachoeira de Missão Velha, que precedeu o primeiro aldeamento da região. Em 1748, foi criada a freguesia de Nossa Senhora da Luz dos Cariris, que seria embrião do município de Missão Velha, que completou neste fim de semana 89 anos de emancipação política.

No dia 28 de janeiro de 1748, por ato provincial, foi criada a freguesia de Nossa Senhora da Luz dos Cariris Novos. Após 11 anos, o templo dedicado foi arruinado, o padre Manoel dos Prazeres de Sousa obteve autorização do bispo de Olinda, Dom Francisco Xavier Aranha, para erguer uma nova igreja, que, curiosamente, ganhou um novo padroeiro: São José. Com isso, passou a ser chamada de Freguesia das Minas de São José dos Cariris Novos. 

O povoado ganhou o nome ainda de Freguesia de São José dos Cariris Novos. Depois, em 1813, foi nomeado Freguesia de São José da Missão Velha e, finalmente, em 1860, apenas "Missão Velha". Sua elevação à categoria de vila aconteceu em 8 de novembro de 1864, desmembrado de Barbalha. 

No entanto, apenas após o decreto de nº 262, de 28 de junho de 1931, que entrou em vigor oficialmente em 11 de julho daquele mesmo ano, junto com a criação da comarca, que Missão Velha se tornou uma nova cidade cearense. 

A origem do seu nome se deu a partir do deslocamento dos primeiros catequistas, entre 1723 e 1727, quando houve uma grande seca no Cariri. Com início da missão capuchinha no Sítio Cachoeira, os frades encontraram fontes e água em abundância no território que chamaram de Sítio Santo Antônio, onde se fixaram. A partir daí criou a distinção entre as duas missões: Nova e Velha. Missão Nova se tornou um distrito. 

Hoje, com aproximadamente 35 mil habitantes o Município ainda guarda vestígios da história do Cariri em suas belezas naturais, na oralidade e em dezenas de casarões históricos que se mantêm de pé no centro da cidade e na zona rural. “Missão Velha foi o primeiro lugar pisado pelo homem branco, vindo da Bahia”, enfatiza o pesquisador missãovelhense, Bosco André. “A história daqui não é explorada”, lamenta.

Respeitando as medidas de isolamento social, que se fazem necessárias durante a pandemia do novo coronavírus, o Sistema Verdes Mares preparou um tour virtual com dez lugares importantes de Missão Velha. 

Cachoeira de Missão Velha  

O primeiro lugar, claro, é o cartão postal da cidade: a Cachoeira de Missão Velha, que compõe um dos nove geossítios do Geopark Araripe. Além da sua bela paisagem, formado por três quedas d’água de aproximadamente 12 metros de altura, a cachoeira  apresenta aspectos geológicos interessantes, como a sua rocha sedimentar de arenito da formação Cariri, com aproximadamente 420 milhões de anos. A estrutura também preserva icnofósseis, que são vestígios da atividade vital de antigos organismos, neste caso, invertebrados aquáticos.   

Legenda: Em homenagem aos 89 anos de emancipação política, o Sistema Verdes Mares preparou um roteiro virtual com dez lugares importantes de Missão Velha
Foto: Antonio Rodrigues

Floresta Petrificada 

Outro geossítio é a Floresta Petrificada do Cariri, localizada no sítio Olho D’água Comprido, na localidade conhecida como Grota Funda, que fica a sete quilômetros da sede de Missão Velha. O lugar guarda um tesouro paleontológico de valor incalculável, que tem especial importância para o estudo da paleobotânica e da evolução geológica. Lá encontram-se fósseis de troncos petrificados com aproximadamente 145 milhões de anos.  

Foto: Viaje na Chapada

Casa de Pedra 

Na Cachoeira de Missão Velha há uma casa de pedra ao final de uma trilha de aproximadamente 1,9 quilômetros das quedas d’água. Pesquisadores acreditam este imóvel, construído no século XVIII, seja um dos primeiros erguidos no Cariri. Ao seu redor, há uma espécie de muro também feito de pedras, que deve ter sido construído para conter a criação de animais. Dentro do imóvel, há ceteiras e camarinhas, que indicam que mulheres também viveram naquele local. Próximo ali, há também estruturas similares a túmulos. 

Foto: Antonio Rodrigues

Casarios 

Andando um pouco pelo Centro da cidade de Missão Velha há diversos casarões que ainda preservam sua arquitetura original. O mesmo também acontece na zona rural do Município, onde há várias edificações que pertenceram aos principais coronéis do Cariri. Esta, por exemplo, no sítio Gameleira de São Sebastião, entre a sede da cidade e o distrito de Jamacaru, que foi erguida no início do século XX.  

Foto: Antonio Rodrigues

Casa Izaías Arruda 

Dentre os casarões de Missão Velha, se destaca a residência construída pelo coronel Izaías Arruda, primeiro prefeito constitucional do Município. Lá, há uma espécie de porão onde os historiadores acreditam que os cangaceiros e seu armamento ficavam escondidos. Inclusive, no local foram guardadas as armas usadas no frustrado — e histórico — ataque de Lampião à Mossoró, no Rio Grande do Norte, em 1927. Izaías Arruda morreu no em 8 de agosto de 1928, aos 28 anos, mas seu casarão permanece bem preservado, inclusive, o porão, que supostamente foi construído para abrigar os cangaceiros. 

Foto: Antonio Rodrigues

Igreja Matriz  

A primeira paróquia no atual território de Missão Velha foi erguida sob a invocação de Nossa Senhora da Luz. Porém, o pequeno templo veio a ruínas e, em seu lugar foi erguida a Igreja Matriz de São José, em 1760. Uma das mais antigas igrejas da região do Cariri, o templo foi reformado, mas ainda preserva uma parede toda feita de pedra atrás do altar-mor, datada da sua criação. 

Foto: Egberto Araújo

Capela Missão Nova  

É no distrito de Missão Nova, a 16 quilômetros da sede de Missão Velha, que está de pé o primeiro templo católico da região do Cariri: a Capela de Santo Antônio. A seca fez entre 1723 e 1727 os colonizadores explorarem aquela região que, primeiro, foi batizado de Sítio Santo Antônio. Lá encontraram levadas de águas e nascentes. Foi neste período que o coronel Antônio Medes Lobato, ergueu a capela, em 1725.  

Foto: Bosco André

Fundição de Antônio Linard 

Fundada em 1933, a Fundição Linard foi criada pelo artesão em cobre Antônio Linard, que herdou o ofício de seu pai, o francês Estevão Serafim Linard. Natural de Santana do Cariri, Linard se mudou para o distrito de Missão Nova em 1931 e, dois anos depois, passou a morar em Missão Velha. Lá, começou a fabricação de caldeiras e engenhos. Três anos depois criou o primeiro motor a vapor genuinamente nacional. A indústria continua de pé, produzindo linha de equipamentos fábricas.  

Foto: Helio Filho

Casa do Padre Cícero  

Construída em 1908 pelo médico Floro Bartolomeu da Costa, amigo do Padre Cícero, no no sitio Cachoeira, a casa era local de repouso do sacerdote nos finais de semana. Historiadores acreditam que sua construção foi aparelhada para esconder cangaceiros, armamentos e munições, pois, é dotada de “torneiras” para o manuseio dos rifles, resguardando os seus atiradores.

Foto: Antonio Rodrigues

Estação de trem 

Inaugurada em 1925, a estação de trem de Missão Velha surgiu como a linha Sul da Rede de Viação Cearense da Estrada de Ferro de Baturité, que tinha como seu ponto máximo o Crato. O local recebeu três de passageiros até a década de 1980. Até 2011 esteve fechada, quando foi reaberta para sediar a Secretaria de Cultura e a Biblioteca Municipal. A estrutura está bem conservada e as portas e piso foram recuperados.  

Foto: Antonio Rodrigues