Conheça os costumes e as tradições ciganas que sobrevivem no Ceará

Leitura das mãos, habilidade para o comércio, roupas coloridas e danças são traços que identificam a cultura cigana. Confira vídeo gravado em uma festa dessa etnia na Fazenda Joelma, em Sobral

Habilidade para o comércio, o uso de roupas coloridas, prática de leitura de mãos e danças são traços que identificam a cultura cigana e sobrevivem ao passar dos anos. Apesar das resistências e dificuldade de acesso, o Diário do Nordeste foi autorizado a registrar algumas desses costumes ainda presentes em distintos municípios do Ceará. Conheça:

Legenda: Para Dona Iranir, a leitura da mão é um dom que Deus deu aos Ciganos
Foto: Foto: Kid Júnior

"Isso é um dom que Deus dá para os ciganos. Comecei a ler mão a partir dos 15 anos e nunca mais parei. As mulheres, de uma maneira geral, são mais interessadas no assunto; os homens são um tanto arredios. Acho que, na verdade, eles têm medo", relata Dona Irani, cigana fixada em Catuana, distrito de Caucaia.

Ela acrescenta que em torno dessa tradição, existe muita lenda a respeito. "A gente observa as linhas da mão de uma pessoa. É possível saber algumas coisas e até aconselhar. Mas não temos a capacidade de dizer, por exemplo, quando essa pessoa vai morrer. Isso pelo que sei somente Deus pode fazer".

Leia mais:
> Ciganos no Ceará: marcas da exclusão
> Vida cigana: os dilemas de conviver com o preconceito e a invisibilidade
> "Cigano adora batismo. Se não tivermos cuidado, eles se batizam mais de uma vez", diz padre 
> Câmara Municipal de Independência tem único vereador cigano no Ceará
> Tianguá e Crateús reúnem comunidades de ciganos
> Cigano quer transformar fazenda em orfanato para abrigar crianças e idosos em Sobral
> Com índice de alfabetização desconhecido, ciganos reivindicam direito à educação
> Governo do Ceará elabora mapeamento inédito sobre população cigana

Dona Iranir explica que, ao tomar conhecimento da existência de ciganos na comunidade, as mulheres tendem a procurá-las para a leitura de mão. "A maioria prefere o sigilo. Não quer que outras saibam. Além disso, costumam repetir as consultas pelo menos uma vez por mês".

A prática de repete em Tianguá, onde dona Onésia Costa, 49 anos, pode ser vista todas as tardes na Praça dos Ciganos. Para realizar o atendimento completo, além de ler a mão, jogar baralho e tarô, cobra a importância de R$ 50,00. "Esse valor é gasto em parte para aquisição do material imprescindível para o meu trabalho, como compra de essências, velas, defumador, enfim, material sem o qual é impossível trabalhar". 

Legenda: Dona Onésia, de Tianguá, além de ler a mão, joga o baralho e o tarô para seus clientes.
Foto: Foto: Kid Júnior

Onésia desempenha sua vocação sem repreensão por parte da Polícia. "Posso dizer que sou privilegiada pois, como tenho muito tempo aqui e sou conhecida, não me deparo com problemas. Porém, em outras cidades, sei que a situação é diferente. As ciganas que vão ler a mão nas praças são muitas vezes denunciadas e perseguidas pela Polícia. Normalmente são acusadas de charlatanismo. Às vezes, o cliente faz confusão por não querer pagar e ainda chama a Polícia".

Dona Onésia denuncia também mulheres que se passam por ciganas para ganhar dinheiro. "A questão é essa. Nós pagamos pela ação dessas pessoas sem escrúpulos, que se passam por ciganas sem ser. Mas creio que o trabalho da Polícia deveria ser o de identificar quem apenas está exercendo um dom herdado da nossa cultura e quem não passa de um embuste. Não está certo colocar todo mundo no mesmo balaio". 

Apresentação de dança cigana

A dança também é um traço característica e um tradição que sobrevive. O grupo de dança Magia Cigana, formado recentemente, vem se apresentando em alguns eventos no Ceará. A performance chama a atenção pela beleza do ritmo, movimento e das roupas coloridas. A reportagem teve acesso a uma apresentação realizada numa festa de ciganos. Depois de negociar com as lideranças, pudemos filmar e gravar num fim de semana, na Fazenda Joelma, em Sobral. 

Um rojão anuncia o início da apresentação, que começa tendo ao fundo uma fogueira. A festa teve início numa quarta-feira e se encerrou apenas no domingo. Foram cinco dias de comida e bebida fartas, muita dança e, principalmente troca de experiência e conversa entre os ciganos. 

As mulheres estavam vestidas a caráter, multicoloridas. Entre os homens, muitos cordões e relógios de ouro, botas de couro e chapéus. A festa comemorou o aniversário de Severino dos Ramos Cavalcante, o seu Raminho, de 68 anos. "Nossas festas são sempre assim. Fartura e alegria. Enquanto nossos convidados tiverem condições de comer, não falta churrasco de boi e de carneiro. Somos bons anfitriões".

Disposição para negociar

Outro traço marcante é a perspicácia para fazer negócio. É um dom que o povo cigano carrega desde as origens. Édson Gomes Rodrigues, 62 anos, frisa que essa habilidade é uma característica de seu povo que, muitas vezes, é chamada de "esperteza". 

"Fomos criados para fazer negócio. Isso não quer dizer que a gente engane os outros ou tente roubar. Realizamos nossas trocas de forma honesta. Afinal, quem é que faz um negócio sem buscar levar vantagem. Ninguém compra ou troca algo visando ter prejuízo. Só que, quando é o nosso povo, logo surge a pecha de que somos espertalhões, vivaldinos ou até ladrões". 

Um exemplo disso são as negociações com animais. "Ao observarmos um cavalo, pela sua aparência e pelos dentes, nós tiramos algumas conclusões em relação à saúde ou à idade do bicho. Para uma pessoa enganar um cigano, tem que ser muito esperto mesmo. A desconfiança faz parte da nossa história. A gente confia desconfiando".

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará