Festejos a Senhora Sant’Ana movimentam a fé em 11 cidades do Ceará

Nos centros urbanos que têm a santa como padroeira, como Iguatu, Tianguá e Paramoti, é feriado municipal nesta segunda-feira (26)

festejos padroeira
Legenda: Para os sacerdotes ouvidos pela reportagem, Senhora Sant’Ana e São Joaquim formam o casal que é tido como exemplo de educação na fé e a base da família
Foto: Foto: Honório Barbosa

Católicos de 11 cidades do Ceará comemoram nesta segunda-feira (26) os festejos religiosos dedicados ao casal, Senhora Sant’Ana e São Joaquim, que são os pais de Maria Santíssima e, portanto, avós de Jesus Cristo. A data representa a celebração do Dia dos Avós, que neste ano foi oficializada pelo papa Francisco como o Dia Mundial dos Avós (quarto domingo de julho), mas ainda não foi percebida pelo setor comercial, que registram boas vendas no Dia das Mães, Dia dos Pais, por exemplo.

As cidades que têm o casal São Joaquim e Senhora Sant’Ana como padroeiros são Iguatu, Tianguá, Independência, Jati, Santana do Cariri, Santana do Acaraú, Mocambo, Jaguaruana, Eusébio, Paramoti e Varjota. Desde o último dia 17 que devotos participam dos festejos dedicados aos santos.

Das onze cidades que celebram Senhora Sant’Ana, duas são sedes de diocese: Iguatu, na região Centro-Sul cearense e Tianguá, na Serra da Ibiapaba.

O monsenhor da diocese de Iguatu, Afonso Queiroga, observa que há também dezenas de capelas em localidades rurais e paróquias que festejam novenário em louvor à mãe de Maria Santíssima.

“Em tempo de festa religiosa, as cidades no Interior ficam movimentadas, atraem devotos e filhos ausentes, mas nos últimos dois anos tem sido diferente por causa da pandemia”, pontuou o religioso. “Mesmo assim a tradição é mantida e a fé permanece viva no coração e nas mentes dos devotos”.
Afonso Queiroga
Monsenhor da diocese de Iguatu,

Em Iguatu, os católicos celebram 302 anos da chegada da imagem da padroeira à antiga Vila da Telha e 190 anos de fundação da paróquia de Senhora Sant’Ana.

Para o padre João Batista Moreira, administrador da diocese de Iguatu, “os devotos locais mantêm a tradição passando para filhos e netos uma caminhada da fé”.

Um exemplo é a aposentada, Francisca Oliveira, que recorda a participação dos festejos, ao lado dos pais, ainda na adolescência. Hoje mantém a tradição trazendo filhos e netos.

“Aqui é a nossa fé, é como o padre fala, a casa da vovó, que nos abençoa”, disse. “Enquanto puder, quero vir participar da festa da nossa padroeira”.

Programação

Cada cidade e cada paróquia tem programação própria e restrições de participação nas novenas e nas missas por causa da pandemia do novo coronavírus. Em Iguatu, a Igreja Matriz de Senhora Sant’Ana acolheu a cada noite 50% da lotação e instalou um telão, sistema de som e cadeiras do lado externo para ampliar a participação dos devotos, segundo modelo aprovado pela Vigilância Sanitária estadual. 

 

O padre João Batista lembrou na manhã de hoje, durante a missa solene de encerramento dos festejos que “Senhora Sant’Ana e São Joaquim formam o casal que é tido como exemplo de educação na fé e a base da família”. O sacerdote acrescentou: “São os pais da Virgem Maria, que é mãe de Jesus Cristo”.

O novenário deste ano em Iguatu teve como tema central ‘Com Senhora Sant’Ana, como irmãos em diálogo, colaborando na construção do reino da paz”.

O padre Yukio Adelly da Silva, pároco da Igreja Matriz de Senhora Sant’Ana, proclamou “as maravilhas que Cristo faz na vida de cada um de nós”. Ele lembrou que por causa da pandemia a tradicional procissão do fim da tarde de hoje não será realizada, mas lembrou que a imagem da santa vai percorrer em carro aberto ruas da área paroquial e pediu “a doação de alimentos para as famílias que passam fome como gesto de solidariedade e ação cristã concreta”.

Lojistas

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Iguatu, José Mota Luciano, observou que “a celebração do Dia dos Avós ainda não despertou o interesse do setor varejista e por isso a data ainda não é atrativa para compra de presentes e comemorações nas famílias”, avaliou. “Acredito que em breve, depois da instituição do quarto domingo de julho como Dia Mundial dos Avós, neste ano, pelo papa Francisco, haverá mudanças”.

O economista Túlio Sarmento disse que a data pode ser um fator de movimentação do segmento do varejo e prestação de serviço, mas  para isso ocorrer ele defende a realização de “campanhas publicitárias a exemplo do Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia dos Namorados e de outras datas comemorativas”.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará

Assuntos Relacionados