Legislativo Judiciário Executivo

Caso Marielle: irmãos Brazão e delegado viram réus no STF por morte de vereadora

Ministros votaram por unanimidade pelo recebimento da denúncia da PGR

Escrito por Redação ,
Domingos e Chiquinho Brazão e Rivaldo Barbosa
Legenda: Os irmãos Domingos e Chiquinho Brazão e Rivaldo Barbosa se tornaram réus por homicídio e organização criminosa
Foto: Reprodução

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) acatou a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) que torna réus os irmãos Chiquinho e Domingos Brazão, assim como Rivaldo Barbosa, acusados de serem mandantes dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. 

Os cinco ministros — Cármen Lúcia, Cristiano Zanin, Flávio Dino, Luiz Fux e Alexandre de Moraes — votaram por unanimidade pelo recebimento da denúncia. Os irmãos Domingos e Chiquinho Brazão, respectivamente conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ) e deputado federal (Sem partido-RJ), além do ex-chefe da Polícia Civil fluminense Rivaldo Barbosa se tornaram réus por homicídio e organização criminosa.

Além deles, os policiais militares Ronald Pereira e Robson Calixto Fonseca também se tornaram réus e irão responder a uma ação penal.

DENÚNCIA

A denúncia aponta que Domingos Brazão e João Francisco (“Chiquinho”) Brazão foram os mandantes do crime. Segundo a PGR, eles teriam planejado o assassinato devido a atuação política de Marielle , que dificultava a aprovação de propostas legislativas que facilitavam a regularização do uso e da ocupação de áreas comandadas por milícias no Rio de Janeiro.

A dupla teria contado com a ajuda de Rivaldo Barbosa. A PGR aponta que ele teria se aproveitado de sua posição de comando na Polícia Civil do Rio de Janeiro para dificultar as investigações e garantir que os mandantes ficariam impunes.

Veja também

Ronald Paulo de Alves, um policial militar conhecido como Major Ronald, também foi acusado pelo homicídio. De acordo com as denúncias, ele teria monitorado as atividades de Marielle Franco e fornecido informações cruciais aos executores do crime.

Já Robson Calixto Fonseca, conhecido como “Peixe”, ex-assessor de Domingos Brazão, foi denunciado por integrar organização criminosa com os irmãos.

O que dizem as defesas

Durante a fase de apresentação de defesa, os advogados de Domingos Brazão defenderam no Supremo a rejeição da denúncia por falta de provas e afirmaram que a Corte não pode julgar o caso em função da presença de um parlamentar nas investigações.

A defesa de Chiquinho Brazão também alegou que as acusações não têm ligação com seu mandato parlamentar e disse que não há provas da ligação dos irmãos com ocupação ilegal de terrenos no Rio de Janeiro.

A defesa de Rivaldo Barbosa defendeu a rejeição da denúncia e disse que o ex-chefe da Polícia Civil não tem nenhuma ligação com o homicídio.

A defesa de Robson Calixto destacou que o acusado não foi denunciado pela morte de Marielle e não figurou como investigado no caso.

O advogado de Ronald Pereira disse que não há provas para a aceitação da denúncia. Para a defesa, o acordo de delação de Ronnie Lessa deve ser anulado por não haver provas de que Ronald estaria monitorando a rotina da vereadora.

Assuntos Relacionados