Senador Chico Rodrigues amplia licença para 121 dias após escândalo e filho, suplente, assume a vaga

Com o pedido inicial de licença de Chico Rodrigues, de 90 dias, não seria possível a convocação do suplente

Legenda: O senador Chico Rodrigues, flagrado com dinheiro escondido na cueca pela Polícia Federal, pediu afastamento do mandato
Foto: Agência Senado

Após algumas horas do pedido de afastmento do mandato por 90 dias, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado com dinheiro escondido na cueca, protocolou uma retificação, nesta terça-feira (20), e ampliou a licença por 121 dias. Quem assume no lugar dele é o primeiro suplente, Pedro Arthur Ferreira Rodrigues, filho do parlamentar. 

O pedido foi aceito pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Com o pedido inicial de licença de Chico Rodrigues, de 90 dias, não seria possível a convocação do suplente. Já com a licença superior a 120 dias, Pedro Arthur Rodrigues será convocado, segundo publicou o portal G1.

O senador era vice-líder do governo Jair Bolsonaro na Casa e deixou o posto. Ele foi alvo de mandado de busca e apreensão pela Polícia Federal, em Boa Vista, em operação que apura desvios em verbas de combate à Covid-19, na última quarta-feira (14).

O parlamentar foi pego com R$ 33.150 escondidos na cueca. Desse total, R$ 15 mil em maços de dinheiro estavam entre as nádegas, segundo informou a Polícia Federal.

Na tarde desta segunda-feira (19), Rodrigues, que era titular do conselho de ética, pediu desligamento do colegiado. O senador também já se desligou da comissão especial que analisa os gastos do governo com a pandemia causada pelo novo coronavírus.

Com o afastamento solicitado pelo próprio senador, Rodrigues poupou o plenário do Senado de tomar a decisão. Com isso, o processo que o ex-vice-líder do governo é alvo no Conselho de Ética da Casa poderá seguir seu trâmite, sem a presença do senador na Casa.

 

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política