Em briga com governadores, Bolsonaro faz campanha para dizer que é dono do auxílio emergencial

Inicialmente, a equipe econômica de Bolsonaro queria conceder R$ 200 aos trabalhadores informais

Escrito por FolhaPress,

Política
Legenda: Moro acusou Bolsonaro, na última sexta-feira (24), de querer interferir na autonomia da Polícia Federal.
Foto: Foto: AFP

A Secretaria de Comunicação do governo Jair Bolsonaro publicou nesta quinta-feira (9), em suas redes sociais, uma campanha destinada a explicar que o auxílio emergencial de R$ 600 a informais é pago pela administração federal, e não por governadores e prefeitos.

"O auxílio emergencial de R$ 600 por pessoa não é de prefeituras nem governos estaduais. O auxílio emergencial é fornecido pelo governo federal, para a população, graças aos impostos pagos pela própria população", diz a mensagem publicada pela comunicação presidencial.

Em live nas redes sociais nesta quinta (9), o presidente criticou o suposto uso político do auxílio emergencial por parte de governos estaduais. "Isso aí é uma fraude. Não vou acusar o governador porque não temos prova de que foi feito pelo governador", disse, sem especificar a qual governador estava se referindo.

Inicialmente, a equipe econômica de Bolsonaro queria conceder R$ 200 aos informais. Pouco depois, admitiu elevar o valor a R$ 300. Após críticas e intervenções do Congresso, especialmente do relator, o deputado Marcelo Aro (PP-MG), o valor foi elevado para R$ 500. Buscando esvaziar o discurso de opositores e retomar protagonismo sobre a medida, Bolsonaro decidiu, então, que o valor final seria de R$ 600.

Durante a pandemia do novo coronavírus, Bolsonaro e a maior parte dos governadores entraram em conflito, especialmente porque o presidente passou a criticar as medidas restritivas impostas pelos governadores estaduais para conter a expansão da doença, seguindo recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde para desestimular aglomerações.

Nesse choque, o presidente perdeu o apoio de alguns daqueles que foram seus aliados, como os governadores João Doria (PSDB-SP), Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Wilson Witzel (PSC-RJ).

Assuntos Relacionados