Bíblia, bate-boca e homenagens: discursos inusitados que foram parar na tribuna da Assembleia

O Regimento Interno do Legislativo Estadual autoriza que os deputados tratem de “tema de livre escolha” em seus pronunciamentos

Temas dos pronunciamentos são de livre escolha dos deputados
Legenda: Temas dos pronunciamentos são de livre escolha dos deputados
Foto: José Leomar

Enquanto saúde, segurança e acenos às bases eleitorais dominavam a tribuna no último ano, alguns discursos fugiam do comum e chamavam atenção. Menções a exemplos bíblicos, bate-boca entre deputados e até homenagem a familiares apareceram nos pronunciamentos, que, conforme aponta o Regimento Interno, podem tratar de “tema de livre escolha”. 

Em 10 de março, por exemplo, o deputado Apóstolo Luiz Henrique (PP) usou o tempo de 15 minutos para celebrar o Dia da Mulher, cuja data é 8 de março. Ele exaltou o papel de mulheres na figura bíblica de Maria, que, nas palavras do parlamentar, “reúne todas as qualidades intrínsecas às mulheres, haja vista que era serva, obediente, corajosa, cooperadora e não competitiva”. 

Exemplo bíblico

Quem também costuma citar trechos bíblicos em suas falas é a deputada Dra. Silvana (PL).

“A voz de João Batista, como precursor de Jesus, deixou isso claro. Ele ensinou o poder de falar. A voz pede, denuncia, sensibiliza, irrita e aclama”, justificou a parlamentar citando a Bíblia.

Em 12 de março, a parlamentar também homenageou o marido, o deputado federal Dr. Jaziel (PL). “(A deputada) parabenizou o deputado pelo trabalho realizado na Câmara dos Deputados”, conta a ata. 

Outro orador frequente, Sérgio Aguiar (PDT) dedicou um dos pronunciamentos, em 1º de março, ao avô. “Nesta data, há 35 anos, durante uma disputa pela presidência da Mesa Diretora da Assembleia, para o biênio 1985/1986, seu avô, o ex-deputado Murilo Aguiar, teve um infarto, quando foi levado às pressas para o hospital, onde já chegou sem vida”, contou o pedetista.

Clima tenso

Osmar Baquit (à esq.) e Leonardo Araújo (à dir.) durante discussão na tribuna da AL-CE
Legenda: Osmar Baquit (à esq.) e Leonardo Araújo (à dir.) durante discussão na tribuna da AL-CE
Foto: José Leomar

Contudo, o clima amistoso entre os deputados às vezes é interrompido por discussões mais acaloradas. Em 10 de março, pronunciamentos na tribuna terminaram com a troca de agressões verbais entre Osmar Baquit (PDT) e Leonardo Araújo (MDB). O centro da discussão envolveu disputas por bases políticas no Interior. 

Durante o primeiro expediente, Araújo discursou contra o grupo político formado pelo deputado federal Domingos Neto (PSD) e os pais, o ex-governador Domingos Filho e a deputada estadual Patrícia Aguiar (PSD), aliados de Baquit. 

Em resposta, Baquit acusou Araújo de ser uma pessoa que "fala mal" da deputada Patrícia Aguiar e disse que o parlamentar quer "ter a força política" do grupo pedetista. Em seguida, os deputados ameaçaram trocar agressões físicas e precisaram ser contidos pelos colegas de Casa.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política