UX/UI Designer: conheça profissão em alta no mercado

A profissão não exige um diploma, porém é preciso muitas habilidades para encontrar possíveis soluções para os mais variados problemas

UX Designer
Legenda: Há mais de 3 anos, Flávio de Moura é UX Designer e já fez grandes trabalhos como o portal e a nova intranet da Cagece
Foto: Acervo Pessoal

A carreira de experiência (UX) e interface (UI) do usuário está em alta. Com a pandemia, as empresas precisam ter produtos e serviços que conquistem e atraiam o público.

Por isso, o profissional de UI/UX Design tem como missão facilitar o consumo de plataformas digitais ou aplicativos com foco na resolução de problemas de navegabilidade.  

A profissão ainda não é regulamentada e, por isso, não precisa de um curso superior para ser exercida. Mas, engana-se quem acredita que não precisa de muito estudo e dedicação para se destacar no mercado.  

Habilidade necessárias 

O UX designer tem de ser empático e fazer isso de forma contínua. Segundo a professora Inga Freire, do curso de Sistemas e Mídias Digitais da Universidade Federal do Ceará, a carreira exige pensar no outro, para encontrar possíveis soluções para os mais variados problemas.

Dessa forma, o profissional também precisa de uma escuta ativa. Afinal, para entender um problema é preciso ouvir com cuidado a experiência de outras pessoas.

Além disso, é importante saber como se comunicar de forma efetiva a fim de transmitir suas ideias e ações para os demais companheiros no projeto. 

Habilidades técnicas 

A carreira exige muitos conhecimentos técnicos, apesar de não precisar de um diploma. Inclusive, é necessário que o profissional tenha, ou adquira, conhecimentos técnicos de métodos de recolha, tanto qualitativos quanto quantitativos. Isso porque é fundamental que o UX designer saiba como funciona cada ferramenta de pesquisa para aplicá-la da maneira correta, a fim de compreender os usuários. 

Para a professora doutora, e também UX Designer, Ticiane Darin, é necessário que o profissional de UI/UX desenvolva, também, a habilidade de comunicação visual.

Quanto mais fácil e objetivo for o projeto, melhor será o resultado obtido. “Uma parte muito importante para a experiência do usuário é como a pessoa vai interpretar o que ela vê e como aquilo vai afetar a forma como ela interage com cada aplicação”, esclarece. 

Profissão do futuro 

Ainda segundo a professora Inga Freire, cada vez mais as empresas estão buscando esses profissionais e que, por isso, é um excelente mercado para investir. “Carreiras como essa, que envolvem criatividade e sensibilidade, são mais difíceis de serem substituídas por robôs no futuro”, avalia. Inclusive, a professora ressaltou que no curso de Sistemas e Mídias Digitais da UFC chega a ser difícil encontrar bolsistas, a partir do quinto semestre, pois todos já estão empregados. 

Diferença entre UX e UI Design

Apesar dos profissionais, atualmente, precisarem atuar nas duas áreas, é preciso entender as diferenças. O UI Designer tem uma visão do projeto em si, participando do começo da imersão da ideia, tendo empatia com o utilizador e, principalmente, tentando perceber quem é e qual o contexto desse usuário. Já o UI Designer, dedica-se na construção das telas a partir dos problemas encontrados pelo profissional UX. 

Dicas para quem está começando 

O UX Designer, Flávio de Moura, entrou na área, segundo ele, por acaso. Formado em publicidade e propaganda, Flávio viu na carreira uma oportunidade de se reinventar. No entanto, é preciso ter muita calma para não entrar em desespero com a quantidade de novos termos. A profissão exige conhecimentos técnicos que somente o tempo é capaz de ajudar na fixação. Por isso, Flávio alerta para evitar a ansiedade no processo de aprendizagem. 

Além disso, em recente publicação na rede social LinkedIn, Flávio enumerou dicas para os recém-chegados na profissão, com base na sua experiência. 

Para Flávio, também é importante aprender com o outro e saber encarar os desafios com coragem. “Uma das coisas que mais me chamou atenção foi como os profissionais estão dispostos a ajudar os que estão migrando para a área. Só fica sozinho quem quer e designer não faz nada sozinho”, afirma. 

Monte seu portfólio 

Já Eneas Holanda, que é UX/UI Designer pleno, acredita na força de um bom portfólio. Para isso, é preciso fazer projetos, mesmo que seja experimentais. Mostrar o que você é capaz de fazer com os conhecimentos que tem é muito importante na hora de procurar uma oportunidade. Por isso, desenvolva aos poucos o seu portfólio para que ele esteja pronto no momento certo

Além disso, Eneas garante que é possível aprender muito sobre o ramo através da internet. “Existe diversos cursos online sobre o assunto e blogs na internet com pequenos textos fáceis de ler durante os intervalos do dia”, afirma. 

Quero receber conteúdos exclusivos do Papo Carreira