Meu encontro com Drummond

Escrito por Gonzaga Mota , luizgmota@yahoo.com.br

Carlos Drummond de Andrade, mineiro de Itabira, bem cedo externou o interesse pelos livros. Aos 18 anos de idade, passa a residir em BH. Seus primeiros trabalhos foram publicados no “Diário de Minas”, na seção “Sociais”. Daí para frente sua vida intelectual crescia dia a dia. Sua obra abrangia amor, música, dificuldade, enfim, sentimentos que somente um poeta seria capaz de possuí-los e interpretá-los nos momentos certos.

Pode-se dizer que o modernismo de Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Manuel Bandeira, e de outros, serviu de referência literária a Drummond. Fez amigos importantes na política: Cristiano Machado, Gustavo Capanema, Afonso Arinos de Melo Franco e José Maria Alckmin. A pedido de Capanema, transfere-se para o Rio de Janeiro e se torna chefe de gabinete do Ministro da Educação e Saúde Pública.  

Carlos Drummond de Andrade sempre foi servidor público e apesar dos seus dotes intelectuais e dos amigos políticos não se aproximou dos cargos eletivos. Dedicou sua vida às letras, escrevendo poemas, contos e textos antológicos. Preferia viver como um cidadão comum, passeando e pensando pelas calçadas da Avenida Atlântica, em Copacabana.

Certa vez, encontrei-me com Drummond, por acaso, numa floricultura do Rio. Era o ano de 1968, estava eu cursando a Fundação Getúlio Vargas (E P G E). Lembro-me exatamente do dia: 3 de setembro. Fiquei nervoso, não era para menos. Ali estava o grande poeta brasileiro. Trocamos um rápido olhar e sorri como se estivesse pedindo permissão para comprar algumas rosas para minha mulher Mirian, pois estávamos fazendo dois anos de casados.  

Após ser atendido pela dona da loja de flores, não tive inspiração nem tranquilidade para redigir o pequeno cartão. A senhora educada, amiga do poeta, percebendo minha angústia, perguntou se ele podia me ajudar. Disse sim. Escreveu uma conhecida estrofe de sua autoria: “A gente sempre se amando / nem vê o tempo passar. O amor vai-nos ensinando / que é sempre tempo de amar”. Obrigado, grande poeta. Se hoje pudesse (15/04/2021) diria ao senhor que já estou com 54 anos de casado, com a mesma mulher, e possuo 4 filhos, 9 netos e 2 bisnetos. Graças a Deus. 

Gonzaga Mota 
Prof. aposentado da UFC  

Flávia Marçal é advogada, doutora em Ciências Sociais e professora da UFRA |  Lucelmo Lacerda é doutor em Educação
Flávia Marçal | Lucelmo Lacerda
08 de Abril de 2024