Restaurantes propõem desconsiderar vacinados em limite de capacidade máxima

Proposição do Sindirest-CE foi encaminhada ao Governo do Estado e visa aumentar a capacidade de atendimento dos restaurantes

Legenda: Setor de bares e restaurantes ainda sofre com baixa movimentação.
Foto: Helene Santos

O Sindicato de Bares, Restaurantes, Buffets e Similares do Estado do Ceará (Sindirest-CE) enviou nesta sexta-feira (18) uma proposta ao Governo do Estado que desconsidera clientes que já tomaram a segunda dose da vacina contra a Covid-19 do limite de 50% da capacidade dos estabelecimentos.

O limite foi definido pelo Governo do Estado em decreto de medidas de enfrentamento à pandemia para evitar a disseminação do novo coronavírus. O governador anunciou ontem (18) a manutenção das regras por mais uma semana.

O presidente do Sindirest-CE, Dorivam Rocha, defende que a proposta não traga maiores riscos de contaminação devido a menor chance de os vacinados ficarem doentes ou transmitirem a doença, além dos demais protocolos continuarem sendo seguidos.

Especialistas alertam, entretanto, que mesmo os imunizados ainda podem transmitir a doença a outras pessoas.

"Também pedimos que os buffets possam atender a pequenos eventos que tenham como público os vacinados ou aqueles que comprovem via testagem não estarem doentes", pontua.

Fechamentos definitivos

Rocha estima que cerca de 30% dos buffets do Estado tenham encerrado permanentemente suas atividades, percentual que sobe a 55% considerando toda a base representada pelo sindicato.

"Nosso setor ainda busca reabilitação. Além das limitações de horário e capacidade, as famílias estão com restrições no orçamento desde 2014. O delivery também, que é a forma que pudemos trabalhar, tem se mostrado inviável", afirma o presidente do Sindirest-CE.

Ele argumenta que as taxas de administração de empresas como Ifood, Rappi e UberEats, entre outros, são muito altas, assim como o custo operacional de uma operação própria.

Tendo isso em vista, a entidade fechou parceria com um aplicativo local, o 'Pensou, Chegou', para fornecer tarifas mais acessíveis e ajudar o setor a se recuperar.

Prorrogação do decreto

O governador Camilo Santana anunciou, na noite desta sexta-feira (18), que não haverá mudanças no decreto em vigor no Ceará na próxima semana. Assim, não houve novas flexibilizações das atividades. Apenas o Cariri segue com regras mais rígidas.

O novo decreto vale a partir de segunda-feira (21) e segue até 27 de junhotoque de recolher permanece das 23h às 5 horas. O chefe do Executivo afirmou que os números da pandemia mostram estabilidade no Estado, mas ainda é necessário ter cautela.

 "O Comitê Estadual de Combate à Pandemia, por prudência e precaução, decidiu permanecer a situação anterior. Mantém, inclusive o Cariri com mais restrições", disse. Camilo acrescentou que a Assembleia Legislativa do Ceará convocará os setores econômicos para dialogar sobre a decisão.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados