Universidades com unidades em Fortaleza devem manter suspensão de aulas presenciais, diz Conselho

De acordo com o professor Francisco Lima Júnior, presidente do Conselho de Reitores das Universidades Cearenses (CRUC), com exceção de atividades laboratoriais e alunos concludentes, as instituições públicas e privadas permanecem em ensino remoto

As instituições de Ensino Superior com unidades em Fortaleza devem seguir as determinações do Governo do Estado e manter a suspensão das aulas presenciais. É o que informa o professor Francisco de Ó Lima Júnior, reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA) e atual presidente do Conselho de Reitores das Universidades Cearenses (CRUC). A exclusão do retorno presencial das aulas na 4ª fase do plano econômico foi comunicada pelo governador Camilo Santana, em entrevista ao Sistema Verdes Mares, na manhã desta quarta-feira (15). 

Todas as universidades do Conselho devem seguir as orientações de saúde. Isso está nas nossas discussões para retomada”, informa o professor Francisco. Dessa forma, a decisão vale para as universidades membros do CRUC e que tenham sede na Capital: a Universidade Federal do Ceará (UFC), a Universidade Estadual do Ceará (Uece), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) e a Universidade de Fortaleza. 

Compõem o Conselho, ainda, a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), Universidade Federal do Cariri (UFCA), a Universidade Estadual do Vale do Acaraú (UVA) e a Universidade Regional do Cariri (URCA). Além deles, representantes da administração pública, como Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), Secretaria de Educação do Ceará (Seduc) e o Conselho Estadual de Educação (CEE-CE) também acompanham as reuniões. 

Apesar da recomendação, o reitor admite que algumas atividades podem transcorrer desde que sigam as normas sanitárias. Cada universidade tem autonomia para permitir ou não a frequência presencial. “A administração pode permitir, por exemplo, que alunos perto da conclusão e que precisam de cadeiras práticas frequentem as aulas presenciais. Nós do Conselho temos um plano geral de diretórios para voltar, mas cada instituição tem autonomia para decidir”, explica o reitor. 

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

Questionado sobre a exceção, o Governo do Estado informou que o atual decreto do plano de retomada, publicado no último sábado (11), prevê a realização de aulas práticas e laboratoriais por concludentes de cursos de graduação e pós-graduação, desde que as carreiras integrem uma das cadeias permitidas. Nesses casos, os alunos devem seguir as medidas sanitárias vigentes. 

A gestão adicionou que as novas decisões sobre o plano de retomada devem ser oficializadas somente no sábado (18), e que, até lá, valem as decisões do decreto mais recente do plano de retorno. Conforme o Governo do Ceará, o governador Camilo Santana apenas adiantou quais setores ficarão de fora caso a Capital avance para a nova etapa de retomada.

Ensino 

À medida que os casos de Covid-19 avançam no Ceará, algumas instituições de ensino superior adaptaram o calendário letivo para retomada de atividades. No começo do mês, a UFC aprovou, em reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe), o retorno do calendário acadêmico a partir do próximo dia 20 em três modalidades de ensino: o método remoto, em que a turma assiste às aulas virtualmente, o método híbrido, com parte dos alunos em ensino remoto e a outra em ensino presencial, e a metodologia presencial

A Administração Superior recomenda que esta última categoria, no entanto, seja adotada somente para disciplinas práticas ou estágios obrigatórios. A decisão do Cepe não foi considerada legítima por representantes da comunidade acadêmica. De acordo com o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará (ADUFC) e representantes estudantis, a votação não contou com representação discente, o que invalidaria a escolha.

Em resposta ao pronunciamento do Governador Camilo Santana, a UFC informou, por nota, que a suspensão das aulas presenciais não alteram o Plano Pedagógico de Emergência (PPE) da Universidade já que este permanece “condicionado às orientações das autoridades sanitárias”. 

A Instituição reforça a preferência pelo ensino remota e que a forma híbrida (remota e presencial) e presencial será devidamente autorizada pela Administração Superior da Universidade Federal do Ceará, considerando a evolução da pandemia. 

O IFCE e Uece, que também já encaminharam as discussões sobre métodos de normalização, informaram, através de nota, não ter previsão para retomada presencial, e que continuam seguindo as recomendações sanitárias do Governo do Estado. 

Além disso, o IFCE indicou que o modelo híbrido que estava em avaliação seria restrito para alunos matriculados em disciplinas práticas. A comissão só pretendia adotar metodologia quando houver possibilidade de retorno. Já a Uece comunica que segue com a análise da retomada para finalização do atual semestre letivo (2019.2) de forma remota e que pretende seguir os critérios das autoridades sanitários do Estado para início das aulas no próximo período (2020.1).

A Universidade de Fortaleza pretende continuar o próximo semestre período letivo de maneira híbrida mas seguindo as orientações sanitárias informadas pelos órgãos competentes. A parte presencial deste ensino misto estaria condicionado a permissão das autoridades de saúde. Entenda como será o ensino na Universidade:

Atividades presenciais: algumas turmas teóricas dos cursos de graduação terão atividades 100% no campus, após autorização do Governo do Estado do Ceará, sempre com limitação do número de alunos em cada ambiente de ensino e aprendizagem, e conforme a disponibilidade de vagas nas disciplinas.

Atividades híbridas: parte das disciplinas em todos os centros desenvolverá atividades em ambiente misto, com atividades online, no novo ambiente de aprendizagem virtual da Universidade, mas também com atividades presenciais de acordo com o limite de alunos nos ambientes de aprendizagem e somente após autorização governamental. 

Atividades de prática e estágio: as atividades práticas ocorrerão de modo presencial, após autorização do Governo do Estado do Ceará, em ambientes com controle de ocupação máxima, conforme as normas de biossegurança. As práticas poderão ocorrer de forma alternada para permitir que todos os alunos tenham a oportunidade de desenvolver as atividades de modo seguro.

 



Redação 09 de Agosto de 2020