Taxa de mortalidade por Covid-19 cresce 14,8% em 7 dias no Ceará

De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde, índice passou de 62,6 para 71,9 por 100 mil habitantes

Legenda: 71 em cada 100 mil cearenses perdem a vida em razão das complicações da Covid-19
Foto: Helene Santos

O novo boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), divulgado nesta sexta-feira (10), indica que a taxa de mortalidade da Covid-19 subiu de 62,6 para 71,9 por 100 mil habitantes, o que representa uma alta de 14,8% em relação ao último levantamento detalhado da semana passada. 

O percentual aponta que 71 em cada 100 mil cearenses, perdem a vida em razão das complicações clínicas provocadas pela infecção do novo coronavírus SARS-CoV-2.

O cenário de aumento também ocorreu em todas as 22 Áreas Descentralizadas de Saúde (ADS), com destaque negativo para Crato, que 51,4% de incremento no intervalo, seguido por Icó (30,8%), Juazeiro do Norte (28,4%), Tauá (21,7%), Russas (18%) e Iguatu (17,9%).

Por outro lado, as ADS de Fortaleza (2,8%), Maracanaú (3,3%) e Aracati (4,2%) apresentaram os menores acréscimos em uma semana. 

No Ceará, 41 cidades, incluindo Região Metropolitana (RMF) e interior, apresentam índice de letalidade superior à média estadual, atualmente em 5,1%. Somam os maiores percentuais: Orós (27,3%), Redenção (17,1%), Limoeiro do Norte (13,2%), Apuiarés (11,1%) e Ererê (10,1%).

"Os óbitos por COVID-19 ocorreram, na sua maioria (77,3%), em pessoas de 60 anos ou mais (mediana de 72; idades entre 1 mês e 109 anos) e no sexo masculino (57,4%), 4.643 (71,2%) apresentavam doenças crônicas pré-existentes, 9 (0,14%) estavam gestantes e 12 (0,18%) puérperas", detalha o boletim.




Redação 11 de Agosto de 2020