Rotina de home office pode causar dor muscular e problema de circulação; saiba como se proteger

Também é possível agendar atendimento online com fisioterapeutas, gratuitamente, através de uma plataforma disponível para todo o Brasil

Foto: Foto: Arquivo

Quando a mesa ou o sofá de casa substituem o ambiente do escritório, o corpo reage à mudança. Sem os devidos cuidados, a nova rotina de home office pode trazer algumas dificuldades durante o período de adaptação, como dores musculares e até problemas de circulação sanguínea.  

Em casa, o uso do computador para trabalhar pode acabar sendo feito em cadeiras baixas e mesas mais altas – ou o oposto – sem ajuste para os pés, o que gera uma postura inadequada por longos períodos de tempo, conforme explica a fisioterapeuta e professora da Universidade de Fortaleza, Ana Paula Abdon.  

“A pessoa pode ter excesso de flexão cervical, do pescoço, ou ficar torta na cadeira, enquanto está sentada. De forma cumulativa, isso causa uma sobrecarga dos músculos. Se eles ficam nessas posições por muito tempo, ou em posições incorretas, acabam tendo uma diminuição de oxigênio, o que gera a dor ou sensação de queimação”, detalha. 

Ela destaca, ainda, que é possível desenvolver problemas de circulação. Para evitar tais consequências, é importante tentar evitar manter as mesmas posições por longos períodos, sendo necessárias pausas para caminhar e se movimentar, mesmo em casa. 

“Acreditamos que, depois do fim da pandemia, talvez o número de pessoas com dor aumente. Por isso é importante ter atenção e se sensibilizar para esse assunto”, ressalta a fisioterapeuta. 

Confira as dicas para manter o bem-estar durante o home office: 

Tela na altura dos olhos: Essa é a altura ideal para evitar que o pescoço fique projetado para a frente e causa dores musculares no ombro e tensão nas costas. A distância da tela deve ser de aproximadamente um braço; 

Pés no chão: A postura ideal em uma mesa de trabalho permite que as pernas fiquem flexionadas em 90 graus, com os dois pés firmes no chão. Caso não consiga alcançar o chão, use um apoio para como caixa de sapatos ou um banquinho; 

Planeje pausas: O ideal, segundo a fisioterapeuta, é fazer uma pausa de pelo menos 10 minutos, a cada duas horas, para andar e se movimentar. 

Faça alongamento: Durante as pausas, é recomendado alongar os membros superiores e do pescoço. “Flexionar o pescoço para frente, fazer movimentos laterais de cabeça, movimentos circulares dos ombros para frente e para trás, inclinações laterais. Também esticas os braços e puxar as mãos espalmadas. Para a lombar, pode se deitar e puxar as pernas até encostar as coxas na barriga. Cada um por dez segundos”, explica Ana Paula Abdon; 

Apoio para a lombar: Se a cadeira utilizada para o home office não tiver apoio acolchoado para a lombar, indica-se enrolar uma toalha e posicionar na altura do cós da calça, para ajudar a manter o tronco ereto. 

Fisioterapia online 

Uma plataforma online brasileira, lançada em abril deste ano, oferece atendimento gratuito de fisioterapia durante a quarentena, para auxiliar pessoas com dores musculoesqueléticas, como hérnia de disco lombar, hérnica de disco cervical, dor ciática, cervicalgia, joelho e quadril e lombalgia. 

A ferramenta Scal foi criada pelo Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC), e está disponível através do site www.sistemascal.com.br. Para utilizá-la, é preciso fazer um cadastro e iniciar o agendamento pelo aplicativo WhatsApp, com o número (85) 98595-1553. Pela localização informada no CEP do paciente, o sistema agenda a consulta com a clínica ou profissional mais próximo.  

No dia da consulta, com até 15 minutos de antecedência, o profissional selecionado para fazer o atendimento entra em contato com o paciente através de uma chamada de videoconferência. Para utilizar o serviço, o usuário deve ter um dispositivo com câmera e acesso à internet, seja um tablet, celular ou notebook. Caso o paciente não tenha um acompanhante para auxiliar com a câmera, basta posicionar o aparelho em um local estável e com boa iluminação, e seguir as orientações do profissional. 

A advogada Naíla Chaves, de 41 anos, conta que precisou interromper suas sessões de fisioterapia por conta da quarentena. Desde então, passou a se queixar de mais dores, até se deparar com o seviço oferecido pelo sistema Scal. “Dar continuidade ao tratamento, mesmo que pelas videoconferências, foi muito importante para essa melhora na minha saúde. A iniciativa já fez muita diferença no meu bem-estar e já a considero indispensável durante esse período”, afirma. 

Inicialmente, a plataforma estava sendo desenvolvida para uso interno dos clientes do Instituto e seus profissionais, porém, a perspectiva mudou com a chegada do coronavírus ao Brasil, conforme explica Helder Montenegro, fisioterapeuta e gestor do ITC.  

"Com a permissão de teleconsultas pelo Conselho Federal de Fisioterapia (COFFITO), decidimos acelerar os ajustes e ampliar o serviço. Como profissional de saúde e empreendedor no segmento, me sinto no dever prestar essa assistência à sociedade brasileira durante a pandemia”, diz.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza