Programa de engajamento ambiental selecionará 10 mil jovens no CE

Durante dois anos, participantes terão auxílio de R$ 200 enquanto recebem curso de formação e executam ações voltadas à preservação do meio ambiente. Perfil selecionado é de jovens de 15 e 29 anos, de baixa renda

projeto
Legenda: De olho nas próximas gerações, projeto pretende reforçar os cuidados ao meio ambiente
Foto: Natinho Rodrigues

O Programa Agente Jovem Ambiental (AJA), lançado ontem pelo Governo do Ceará, deverá alcançar 10 mil pessoas, entre 15 e 29 anos de idade, para aprender, elaborar e executar estratégias sustentáveis de preservação do meio ambiente. Os participantes receberão um auxílio mensal de R$ 200, durante um intervalo de dois anos. O edital com o detalhamento da seleção pública ainda será publicado até o fim deste mês para que o cronograma já inicie em março.

Contudo, o Executivo antecipou que apenas jovens incluídos no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), matriculados em escola pública ou que tenham concluído o Ensino Médio em uma, poderão integrar a iniciativa estadual. Isto, segundo o governador Camilo Santana, também reforça o caráter social da ideia.

"Vamos atender aos jovens mais vulneráveis do Estado. O agente vai contribuir para melhorias ambientais do nosso Estado, nas unidades de conservação, em importantes espaços sociais. É um programa que vai estimular a participação desses jovens no contexto ambiental", considera.

A política pública, que envolve protagonismo juvenil, geração de renda e ganhos ecológicos, está dividida em três fases. A primeira delas é a formação pedagógica, em que os participantes terão aulas virtuais ministradas pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), sobre sustentabilidade, cidadania, programas, noções de unidades de conservação, recursos hídricos, resíduos sólidos, legislação e crimes ambientais. A grade curricular, ainda em produção, será incluída no edital, como ponderou à reportagem o titular da Pasta, Artur Bruno.

Depois de absorverem os conteúdos, a segunda etapa envolverá a elaboração de projetos. "Cada município apresentará a sua ideia. Pode ser, por exemplo, a arborização da cidade, educação ambiental para coleta seletiva do resíduo sólido, algo voltado para a questão da poluição sonora, proteção da fauna e flora, ou cuidados contra o abandono de animais domésticos", mencionou o secretário.

A última parte do programa exigirá dos participantes e das gestões municipais a execução das múltiplas ideias a partir das necessidades ambientais de cada território. "Eles vão participar do desenvolvimento de cada projeto, ajudando a resolver todos os problemas. Eles vão trabalhar com a administração municipal e com o próprio Estado. Vamos ajudá-los a desempenharem esse papel", explicou. A duração de cada etapa ainda não foi definida.

"Nesse processo, a gente vai definir qual é o prazo de cada uma das fases. Não será um curso demorado, porque se trata de noções básicas", adiantou, complementando que a carga horária semanal será de 20 horas.

O programa já havia sido aprovado pela Assembleia Legislativa do Ceará em dezembro último e foi sancionado ontem pelo governador. Ao final do ciclo de dois anos, outras 10 mil pessoas serão selecionadas para o AJA. Além da quantia de R$ 2OO por mês e do curso de formação, os jovens terão direito a fardamento, seguro acidente e certificado.

"Queremos formar uma geração de pessoas que sejam ambientalmente corretas, que tenham visão de mudar os hábitos em termos de poluição e crimes ambientais. Já os ganhos para o meio ambiente serão enormes, porque a gente percebe que por maior que seja a fiscalização, o mais importante hoje é mudar a cultura da sociedade em relação a essa questão", avalia Artur Bruno.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza