Influenciadora digital faz campanha de doação de medula óssea na Praça das Flores

Duda Riedel descobriu a doença aos 24 anos. Ela foi contemplada com um transplante de medula e agora se mobiliza para encontrar novos doares. O encontro mais recente da campanha aconteceu neste sábado (21)

Legenda: A campanha mobilizou doadores na Praça da Flores
Foto: Divulgação

A jornalista, atriz e escritora Duda Riedel foi surpreendida, há um ano, com o diagnóstico de uma leucemia mieloide aguda. Tipo "agressivo" de câncer no sangue, a doença foi descoberta quando Duda tinha apenas 24 anos, em maio de 2019. Paralelo ao choque e à adaptação de ter que lidar com o tratamento da enfermidade, ela começou a se movimentar para conscientizar as pessoas em relação às necessidades de outros pacientes acometidos pela leucemia. 

Em parceria com Instituto Pró-Hemoce, Duda realizou um evento para estimular a doação de sangue e de medula óssea na manhã deste sábado (21), na Praça das Flores (Aldeota). A ocasião marca o aniversário de 1 ano do transplante de medula feito para a jornalista. "Resolvi (com esse evento) incentivar todo mundo que possa doar. Você pode ser a salvação não só da vida de uma pessoa, mas de toda uma família", reflete ela. 

No período em que descobriu a doença, Duda Riedel já tinha cerca de 150 mil seguidores no Instagram. Ela alimentava o perfil com vídeos engraçados sobre relacionamentos, e passou a compartilhar uma espécie de "diário" a respeito do tratamento. O movimento, identificado pela hashtag #TuTemForçaMenina, atraiu mais 500 mil seguidores, interessados no andamento do processo e em aprender com a revisão dos hábitos em prol da saúde. 

Legenda: Duda (a primeira à direita) conseguiu o transplante de medula e agora quer encontrar novos doadores
Foto: Divulgação

"Meu propósito, desde que descobri o diagnóstico da leucemia, foi sempre incentivar todo mundo a se cadastrar no banco de medula óssea, a doar sangue. Já fiz várias campanhas por aí. Estava parada, porque ainda estava em tratamento bem assim, pesado. E agora, um ano depois, depois da minha cura, do meu renascimento, estou aqui pra incentivar todas as pessoas a doarem também", recapitula ela.

Meta

A campanha deste sábado atraiu gente como a professora Sara Monteiro. Uma das seguidoras de Duda no Instagram, ela estabeleceu como meta, para 2020, se cadastrar no banco de doadores para o transplante de medula óssea. "É uma coisa tão simples, e que pode ajudar muitas pessoas. E acredito que vai ser um hábito, agora pra mim, sempre que eu puder vim doar sangue", vislumbra Sara.

Duda Riedel observa que não dá para "romantizar" um tratamento relacionado à doença. Mas, no percurso, ela conta que se transformou e, agora, não vê a hora de conhecer a pessoa que doou a medula para o seu transplante. 

"O tratamento é muito duro, mas no caminho a gente descobre pessoas incríveis. Ainda não conheço (pessoalmente), a minha doadora, mas o sangue dela corre nas minhas veias e sou eternamente grata por tudo que aconteceu. E de poder ser agora uma porta-voz e influenciar as pessoas a fazer o bem também", reflete.

Serviço
Para fazer o cadastro no banco de doadores de medula óssea, o doador precisa ter entre 18 e 55 anos, não ser portador de doença hematológica e de nenhum tipo de câncer. Mais informações: hemoce.ce.gov.br  

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza