Coronavírus: quais as vantagens dos testes rápidos e quem pode utilizá-los?

Nota técnica orienta como os kits de testes rápidos para o novo coronavírus devem ser utilizados; Sistema Verdes Mares preparou lista com as principais dúvidas

Foto: Foto: Reprodução

Foram adquiridos 350 mil kits de testes rápidos para a identificação do novo coronavírus pelo Governo do Estado e outros 18.057 exames do mesmo tipo são encaminhados ao Ceará pelo Ministério da Saúde. Esses exames apresentam resultados em cerca de 15 minutos enquanto o teste convencional leva por volta de 12 dias. Então, por qual motivo as autoridades de saúde e os laboratórios particulares não adotam apenas os testes rápidos?

O Sistema Verdes Mares preparou uma lista com as principais dúvidas sobre testes rápidos para o novo coronavírus. As orientações são para os profissionais de saúde da rede pública e privada para aplicação dos testes, divulgadas em nota técnica pela Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa). Confira a resposta desta e de outras questões sobre o assunto:

Qual a diferença dos testes rápidos para o exame convencional?
Os testes rápidos para a Covid-19 são feitos por meio da coleta de uma gota de sangue e identificam a presença de anticorpos (IgG e IgM). Essas substâncias são produzidas pelo corpo humano como defesa ao vírus SARS-CoV-2, mas levam alguns dias para liberação na corrente sanguínea. Assim, se um paciente estiver com o novo coronavírus, e fizer o teste antes do corpo produzir os anticorpos, o resultado pode ser negativo para a doença.

Já o exame do método RT-PCR identifica a presença do vírus no corpo por meio da coleta de secreções em uma haste com algodão nas pontas. Em seguida, as amostras são analisadas com o isolamento de uma parte do vírus e leva em média 12 dias para ficar pronta.

Em quantos dias o nosso organismo produz os anticorpos identificados pelo teste rápido?
Os anticorpos podem ser detectados mais facilmente a partir do 7º dia de início dos sintomas, dependendo do método, como indica a nota técnica. Os testes podem ser realizados até o décimo dia da presença dos sintomas, mas existem limitações e variações de sensibilidade do teste conforme o tempo de doença.

Quem deve ser testado por meio desses kits rápidos?
Profissionais da saúde e da segurança devem ser testados para que possam atuar de forma segura no combate à doença, além de pacientes em situação de vulnerabilidade para conferir a infecção pelo vírus:

- Pacientes hospitalizados com critérios clínicos por suspeita de infecção pelo novo coronavírus e com, pelo menos, oito dias do início dos sintomas;
-Doadores de órgãos e pacientes transplantados;
- Policiais, bombeiros e guardas civis que estejam afastados com sintomas respiratórios há pelo menos oito dias;
- Pacientes com Síndrome Gripal mantidos em instituições de longa permanência
- Profissionais de serviços de saúde com sintomas respiratórios no período de oito dias e que atuem em serviços hospitalares, na atenção primária à saúde, em urgências e emergências, além das instituições de longa permanência, serviços de apoio diagnóstico e terapêutico, nas vigilâncias sanitária, epidemiológica e ambiental. 

Como o resultado deve ser emitido?
O resultado positivo para a doença é representado por meio de duas linhas coradas em uma espécie de tela dos testes rápidos. Já o resultado negativo consta apenas uma linha na que indica o controle. Há a possibilidade de o teste ser invalido, quando não apresenta linha de controle, e a indicação é refazer o exame.

Quanto tempo leva para sair o resultado?
A Sesa informou que os testes devem levar entre cinco e 10 minutos para apresentar o resultado, mas a nota técnica indica que o período é de 15 a 30 minutos. Além disso, o documento reforça que "a recomendação é que os resultados dos testes rápidos não devem ser utilizados como critério de confirmação ou descarte de casos de COVID – 19 até que haja um posicionamento do Ministério da Saúde".

Qual o procedimento adequado para a hora da testagem?
Deve ser feita a higienização das mãos do indivíduo com sabão e água morna ou com uma compressa embebida em álcool. Em seguida, os profissionais de saúde devem coletar o sangue por meio de uma perfuração na ponta do dedo médio ou anelar. A amostra de sangue deve ser aplicada no teste usando um tubo capilar.

Quando os exames devem ser utilizados?
O Estado ainda aguarda a chegada de 50 mil testes rápidos, de um lote de 350 mil, adquiridos pelo Governo do Estado. O Sistema Verdes Mares procurou a Secretaria de Saúde do Estado para saber quando os testes devem chegar e quando serão utilizados e foi informado que a Sesa deve divulgar nos próximos dias em comunicado institucional.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados