Ceará tem três mortes pela Covid-19 em meio à alta de casos

Os primeiros óbitos foram confirmados ontem pela Secretaria Estadual da Saúde. Moradores de Fortaleza, um homem e duas mulheres foram as vítimas da doença, que já infectou 238 pessoas, de acordo com informe da Pasta

Legenda: Primeiro paciente morto por coronavírus estava internado há cinco dias no Hospital São José (HSJ), em Fortaleza.

A curva ascendente de pacientes com testagem positiva ao coronavírus Sars-Cov-2 trouxe à tona, ontem, um novo dado: os três primeiros óbitos por Covid-19 no Ceará. As mortes, de um homem e duas mulheres, acontecem em meio à confirmação de mais 27 casos em um único dia. Idosos, eles moravam em Fortaleza. Com os últimos diagnósticos positivos, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) aponta agora que a doença pandêmica já infectou 238 pessoas em 12 dias.

O primeiro óbito confirmado pela reportagem do Diário do Nordeste ainda na manhã dessa quinta-feira (26) trata-se de José Maria Dutra, de 74 anos. O paciente, que estava internado há cinco dias na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital São José (HSJ), em Fortaleza, tinha diabetes controlada e faleceu por "insuficiência respiratória causada por uma infecção pulmonar por Covid-19", aponta o laudo.

José Maria Dutra havia procurado a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Edson Queiroz no dia 18 de março último, uma semana antes de morrer. Sintomático para gripe, ele apresentava ainda febre e falta de ar, mas recebeu alta médica após medicação. Dois dias depois, com piora no quadro clínico, o idoso recorreu ao HSJ, onde permaneceu internado até o registro de sua morte.

As outras duas vítimas recebiam atendimento em hospitais da rede privada. Na segunda paciente, identificada como Zelinda Cidrão, de 85 anos, os sintomas iniciais apareceram no dia 12 de março, quando entrou em quarentena. Retornou à unidade de saúde no feriado de São José e faleceu na manhã de ontem. "Lembraremos sempre dos sorrisos e da alegria dela em vida. Era muito amada por todos ao seu redor", disse um familiar. Já a terceira mulher, de 84 anos, que não teve a identidade revelada, possuía doenças crônicas, segundo a Sesa.

"Eu quero lamentar os óbitos e me solidarizar com as famílias, desejar esperança, muita energia e força para superar esse momento", ponderou o governador Camilo Santana em transmissão ao vivo.

Alta

Desde que o Ceará contabilizou os primeiros casos da enfermidade, no dia 15 de março, o saldo de infectados pelo vírus cresce a cada dia. O mais recente informe epidemiológico da Sesa mostra que as 238 confirmações pela Covid-19 no Estado estão mapeadas em cinco municípios. A Capital, isolada, concentra 224 casos, o que representa 94% do total.

Aquiraz, que tem 6 casos, continua sendo a única cidade da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) com registros. No interior, apenas o município de Groaíras teve nova confirmação com uma pessoa infectada. Sobral (4), além de Fortim, Juazeiro do Norte e Mauriti, com um caso cada, não tiveram alterações em 24 horas. As outras pessoas, de Uberlândia (MG) e São Paulo, que constavam no balanço da Sesa porque receberam o resultado do exame no Ceará, foram retiradas. A partir de agora, contaminados em outros estados não entrarão mais na contagem local.

Perfil

Conforme o boletim, 56,3% dos contaminados por coronavírus no Ceará têm entre 20 a 49 anos, sendo a faixa etária coma prevalência mais alta da doença. Ao todo, 134 pessoas com essas idades testaram positivo. Na sequência, estão 72 pacientes entre 50 a 69 anos, isto é, 30,3% do total. Idosos a partir de 70 anos anotaram 23 casos (9,7%), enquanto crianças de 1 a 9 anos, 5; 10 a 19 anos, 3, e apenas uma menor de um ano está com Covid-19. Até ontem, a Sesa notificou 4.129 casos suspeitos, mas 238 foram descartados. Dentre as confirmações, 21 estão hospitalizados, sendo 12 em UTIs e 9 em enfermarias.

Entre os nove estados da região Nordeste, o Ceará continua com o maior volume de pessoas acometidas pelo coronavírus, na frente da Bahia (104), Pernambuco (48), Rio Grande do Norte (19), Sergipe (16), Alagoas (11), Maranhão (10), Piauí (9) e Paraíba (5). Ao mesmo tempo, lidera junto com Pernambuco em mortes. As informações foram atualizadas pelo Ministério da Saúde às 17h de ontem.

Se no Ceará, onde aconteceram três mortes de uma só vez no 12º dia após o primeiro diagnóstico, em São Paulo, estado com mais casos no Brasil, o óbito foi 17 dias depois. Já o Rio de Janeiro, que está em segundo lugar no balanço federal e registrou o diagnóstico por coronavírus em 5 de março, teve a primeira vítima no dia 17, resultado igual ao local.

Reclusão

Apesar das mortes, a Secretaria Estadual da Saúde pondera que o Ceará continuará na fase de mitigação da pandemia. Esta etapa orienta que as estratégias de enfrentamento à doença continuem priorizando impedir a evolução rápida de novos casos e garantir a assistência de pacientes vulneráveis e graves.

Para o infectologista Anastácio Queiroz, a etiqueta de prevenção deverá ser reforçada, sobretudo entre os pacientes com doenças crônicas. "Todos devem estar no isolamento social mas, principalmente, a população que pode ter complicações mais sérias, precisa evitar o contato", defende o especialista, complementando ainda que o número de mortes no Ceará em relação à quantidade de casos "infelizmente, está dentro do esperado".

Durante pronunciamento nas redes sociais, o titular da Sesa, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, o Dr. Cabeto, reiterou que a orientação local é para as pessoas continuarem em reclusão domiciliar. A medida se faz necessária, ele argumenta, porque o Ceará já está na fase de transmissão comunitária ou sustentada, quando já não é mais possível rastrear quem originou as cadeias de infecção.

O secretário reforçou ainda a solicitação feita ao Ministério da Saúde para ampliação de leitos na Região Metropolitana e no interior. "Até os próximos 15 dias, nós estamos falando em disponibilizar leitos de terapia intensiva em Itapipoca, Iguatu, Icó, Tauá, Crateús, Tianguá e Aracati", pontuou.

Você tem interesse em receber mais conteúdo da cidade de Fortaleza?