CE monitora 29 crianças com síndrome rara associada à Covid-19 e tem maior número de casos no país

Ministério da Saúde começa a notificar crianças e adolescentes com sintomas da doença rara que surge após a cura do novo coronavírus

O Ministério da Saúde acompanha 29 casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) em crianças e adolescentes do Ceará para comprovar se doença é causada pela Covid-19, como anunciado nesta quinta-feira (6). Ao todo, o País tem 71 casos notificados. Além dos cearenses, foi registrada a doença  no Rio de Janeiro (22), Pará (18) e Piauí (2). No mundo, 300 casos são relatados.

 

Pelo menos 16 crianças são monitoradas no Hospital Luís de França, em Fortaleza, como contabiliza o médico pediatra e diretor do hospital, Caio Malachias. “Depois de aproximadamente três ou quatro semanas a criança desenvolve essa patologia que pode ser grave, com evolução com doença cardíaca, inclusive, e requer um tratamento específico".

Diagnóstico

Os sintomas da Sindrome Multissistêmica são febre intensa e persistente, irritação nos olhos, manchas no corpo, diarreia, dor abdominal, náuseas e vômitos. O quadro é parecido com a já conhecida Doença de Kawasaki e o seu tratamento pode ser feito com a utilização de substâncias como imunoglobulina. Pediatras e cardiologistas, devido ao potencial de afetar o coração dos pacientes, são os profissionais que acompanham esse tipo de doença.

Crianças e adolescentes com até 16 anos, infectados pelo SARS-Cov-2 e que apresentam os sintomas da Síndrome, devem ser notificados ao Ministério da Saúde, de acordo com nova medida de vigilância em saúde publicada na última semana. Dessa forma, as secretarias de saúde dos estados e dos municípios recebem orientações sobre o diagnóstico e atendimento destes casos. Três pacientes morreram por complicações da doença no Rio de Janeiro.

Todos os pacientes observados testaram positivo para o novo coronavírus ou tiveram vínculo com casos confirmados da doença, com dados colhidos até julho. “Embora esses casos descritos apontem para uma possível relação de uma nova característica da Covid-19 em crianças e adolescentes, cabe ressaltar que estas ocorrências foram raras até o momento, frente ao grande número de casos com boa evolução da doença entre crianças e adolescentes”, ponderou o Ministério da Saúde.

Um alerta sobre a doença foi emitido no dia 20 de maio em parceria do Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR). O Ministério da Saúde relata 300 casos da doença no mundo em países como Espanha, França, Itália, Canadá e Estados Unidos.

Você tem interesse em receber mais conteúdo da cidade de Fortaleza?