Casos de dengue aumentam 130% em relação a 2019 em Fortaleza

Número de mortes registradas pela doença se manteve na média do ano passado, com o acréscimo de um óbito até o momento

Escrito por Redação,

Metro
Legenda: Casos de dengue tiveram mais de 100% de aumento em 2020
Foto: Natinho Rodrigues

Até a semana epidemiológica 44, considerada até o final de outubro, 7.705 casos de dengue foram registrados em Fortaleza, neste ano. O número foi 130% maior do que o registrado em igual período de 2019, quando a cidade teve 3.218 casos positivos. Em relação às mortes pela doença, a capital cearense registrou cinco óbitos em 2020, enquanto 2019 somou quatro. Os dados são Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

O aumento de notificações positivas, contudo, já era esperado, segundo o epidemiologista Luciano Pamplona. “O ano de 2019 foi de baixa transmissão da dengue. Nós tivemos poucos casos. Isso justifica, em parte. Outro motivo foi a volta da circulação da dengue tipo 2 do ano passado para cá, que não circulava há 10 anos no Estado. Então, toda vez que há reinserção de sorotipo, tem que gente que não foi exposta e a gente espera o pico da doença. Isso aconteceu em todos os estados”, pontua.

Conforme o epidemiologista, o incremento de casos esperado era até maior do que realmente registrado neste ano e, provavelmente, “a ocorrência da Covid-19 interrompeu essa transmissão”. “Num primeiro momento, pensamos que a suspensão das visitas dos agentes de saúde em casa iriam impactar para o aumento de casos de dengue. O que a gente viu, na verdade, é que possivelmente com as pessoas em casa, elas cuidaram do ambiente e isso deve ter reduzido a infestação diante de um cenário que a gente esperava”, explica.

Na distribuição de casos por Secretaria Regional de Saúde (SR), a Regional VI, que abriga bairros como Cidade dos Funcionários e Aerolândia, registrou 43,2% dos casos (3.326/7.705), seguida pela Regional II, com bairros como Meireles e Praia do Futuro, com 15,3% dos casos totais (1.181/7.705).

Picos da doença na capital foram percebidos em dois momentos, durante este ano: na 10ª semana epidemiológica, de 1 a 7 de março, e na 18ª, de 19 a 25 abril. “Esse foco se repete muito, principalmente por causa da quadra invernosa e ao clima. O que acontece nesses primeiros quatro meses do ano é que temos chuva, mas junto com o verão. Então, a temperatura elevada com a umidade causada pela chuva faz com que o mosquito viva mais tempo”, diz Pamplona.

De acordo com o coordenador da Coordenadoria de Vigilância Ambiental e de Riscos Biológicos da SMS, Nelio Morais, Fortaleza deve encerrar o ano com uma média de oito mil casos de dengue. “Isso demonstra um processo de baixa transmissibilidade. O cenário pensado para 2020 era ameaçador pela reintrodução do sorotipo 2 e felizmente não tivemos processos epidêmicos na cidade, o que seria constrangedor tendo em vista a epidemia de Covid-19”, esclarece. No entanto, o número “acende o alerta”.

Covid-19

Segundo o epidemiologista Luciano Pamplona, é importante atentar-se aos diagnósticos e sintomas de dengue e Covid-19. “Há vários artigos do mundo mostrando que onde houve transmissão simultânea da doença, casos de Covid-19 foram pensados em dengue e vice-versa, pois os sintomas são bem parecidos. A grande vantagem é que para as duas patologias é recomendada a hidratação”, expõe.

“Basicamente, a diferença é que há maior presença de sintoma respiratório na população adulta em casos de Covid-19 e não de dengue. Já em crianças, ambas as doenças apresentam fatores respiratórios”.

De Fortaleza, o estudante universitário, Pedro Iago Araújo de Oliveira, de 19 anos, teve os primeiros sintomas da dengue em setembro e chegou a pensar que poderia ser Covid-19. “Tive 39ºC de febre, com o corpo mole e bem cansado, às vezes não conseguia respirar quando fazia qualquer esforço. Cheguei a suspeitar de coronavírus por ter dois sintomas iguais, mas fiz os exames e realmente deu dengue”, comenta.

O jovem suspeita ainda que pode ter pegado a doença também no início do ano, quando teve os mesmos sintomas de maneira mais leve, porém não realizou o exame para comprovar.   

Prevenção

Conforme o responsável pela Coordenadoria de Vigilância Ambiental e de Riscos Biológicos da SMS, Nelio Morais, é necessário investir fortemente nas ações de controle. “Realizar a operação inverno já no mês de setembro, como temos feito desde 2015. Já houve uma reunião do comitê para que possamos trabalhar antes da chegada das chuvas, eliminando criadores, envolvendo secretarias diversas”, expõe.