Aumento da temperatura do mar afeta sobrevivência de corais

Estudo científico desenvolvido por instituições de cinco países constata efeitos do aquecimento marítimo na degradação de corais. Áreas de Fortaleza como Mucuripe e Vila do Mar, segundo pesquisador, sofrem esses impactos

Escrito por Thatiany Nascimento, thatiany.nascimento@diariodonordeste.com.br

Metro
Legenda: Os corais são animais com estrutura corporal simples e existem há cerca de 250 milhões de anos
Foto: Foto: Agência UFC/ Reprodução

Os recifes de corais do mar de Fortaleza, assim como de outros pontos do Ceará como Paracuru, Flexeiras, Icapuí e Camocim, estão ameaçados. O aumento da temperatura do mar tem impactado a sobrevivência desses animais marinhos que existem há cerca de 250 milhões de anos. A constatação é fruto de pesquisas científicas desenvolvidas, desde 2013, por um conjunto de instituições da Itália, México, Espanha, Estados Unidos e Brasil - representando por pesquisadores do Instituto de Ciências do Mar (Labomar), da Universidade Federal do Ceará (UFC), cujos resultados estão sendo divulgados nos últimos meses.

Os corais, conforme o integrante da pesquisa, professor do Labomar, Marcelo Soares, têm funções relevantes para o ecossistema pois, além de constituírem áreas marítimas extremamente ricas e diversas, auxiliam nas atividades de pesca - por serem berçários naturais; garantem proteção da linha da costa - por formarem barreiras contra a erosão; e ainda são atrativos para atividades turísticas no mundo inteiro.

"Os recifes de corais podem ser comparados às florestas no ambiente terrestre. Eles servem de abrigo para outras espécies. São semelhantes porque criam ecossistemas ricos onde vivem diversos organismos", relata Marcelo.

Localização

O professor acrescenta que o estudo avalia os efeitos das mudanças climáticas como o aumento da quantidade furacões, alterações no padrão de chuva e elevação da temperatura dos oceanos. A pesquisa aponta que caso as mudanças climáticas permaneçam no ritmo atual, o desaparecimento completo dos recifes de corais pode ocorrer possivelmente até o ano de 2050.

Conforme o pesquisador, o estudo utilizou amostra do mar do Caribe, mas o fenômeno se replica em outras partes do mundo. Em Fortaleza, onde a temperatura do mar varia entre 25°C e 27°C graus há recifes de corais no Mucuripe e no Vila do Mar, além do Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio - única unidade de conservação marinha do Ceará- localizada a cerca de 20 km do Mucuripe.