Após denúncias de superlotações, Sindiônibus promete mais 140 ônibus na rua a partir de segunda

A audiência online do MPCE também abriu debate para um reescalonamento de horários, para as várias atividades liberadas no estado.

Escrito por Redação,

Metro
MP quer 100% da fronta no horário de pico
Legenda: MP quer 100% da fronta no horário de pico
Foto: Thiago Gadelha

As aglomerações no transporte coletivo tem gerado muitas reclamações por parte da população, desde o início da reabertura do comércio, principalmente em Fortaleza. Na manhã desta sexta-feira (17), o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) realizou audiência para cobrar medidas efetivas sobre esse assunto, a órgão responsáveis. Como uma das medidas o Sindiônibus garantiu mais 140 ônibus a partir de segunda-feira (20), na Capital

Durante a reunião com o MPCE, em resposta às denúncias de aglomeração, o presidente do Sindiônibus propôs o aumento de 140 carros, na frota de ônibus da Capital, a partir da segunda-feira (20). “A frota adicional de 140 ônibus trouxemos como resposta. Não é número jogado, temos estudos da demanda. A cada etapa que abre, vai aumentando devagarzinho, a projeção apontava para [inclusão de] 70 ônibus na segunda, então a gente dobrou por precaução”, garante o presidente Dimas Barreira. 

Para que uma resolução efetiva da aglomeração nos coletivos, nesse momento delicado de contágio pelo vírus Sars-Cov-2, principalmente em horários de pico, o MPCE fez recomendações a Prefeitura de Fortaleza. “Nós iremos recomendar ao prefeito [de Fortaleza] que 100% da frota seja implementada no prazo máximo de dez dias, com a prefeitura municipal subsidiando esse retorno de 100% da frota nos horários de pico”, declara a promotora de Justiça, Ana Cláudia Uchoa, responsável pelo caso.     

Em junho, segundo o Sindiônibus, a frota circulante era de 1.102 ônibus, correspondentes a 64% da frota do mesmo período de 2019. Também em junho, houve redução no número de pessoas transportadas: os 8,2 milhões de passageiros corresponderam a apenas 38,1% dos 21,7 milhões usuários no mesmo mês do ano passado. 

Presente na reunião, o titular da Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP), João Pupo, contudo, não mostrou certeza sobre ser possivel o cumprimento da medida. "Temo que não haja os recursos financeiros suficientes pra fazer face a essa despesa, mas vamos receber a recomendação e dar a ela a resposta embasada", informou.

Estavam presentes na reunião representantes da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP); da Agência Reguladora do Estado do Ceará (ARCE); da SOCICAM Administração, Projetos e Representações LTDA, que é responsável pela administração dos terminais rodoviários de Fortaleza; e do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano e Metropolitano de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), além de figuras públicas da política da capital.   

  

    

Assuntos Relacionados