CENTRO DE DADOS

Avanço tecnológico depende de gerenciamento de dados

01:00 · 14.04.2018
Image-0-Artigo-2387267-1
Parte do sistema de trânsito de Fortaleza conta com semáforos inteligentes, criando um fluxo de dados para ser gerido por um data center ( Foto: NAH JEREISSATI )

Quanto mais a Capital avançar tecnologicamente, mais necessário será o uso de data centers. É o que garante Glauber Launa, gerente executivo da Mob Telecom. O próprio sistema de semáforos inteligentes da Prefeitura de Fortaleza foi imaginado dentro do conceito de "Internet das Coisas", algo que se torna inviável sem o centro de processamento de dados da administração municipal. A cada ponto de conexão à internet, maior o fluxo de dados e maior a necessidade de gerenciar e analisar todas essas informações.

"É uma cadeia. Quando você ressignifica um equipamento para virar um comando, nesse processo de Internet das Coisas, ou 'IoT', em inglês, você precisa de uma rede que envolve o device, a rede e a plataforma para gerir tudo. Aí que surge a necessidade de você ter softwares de gestão e sistemas como os data centers", analisou Launa. "Sem data centers não existe 'IoT'", completou.

Leia ainda:

> Hub de telecomunicações pode fazer mercado de data centers dobrar
> Expectativa de melhor serviço e preço menor 
> Incentivos fiscais fomentam instalação de empresas de TI 
> Mão de obra qualificada continua a ser desafio
> Acordo permite conexão com a Ásia

A opinião é compartilhada por Mauro Oliveira, professor e pesquisador da área de tecnologia da informação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). "O data center é o aeroporto e a estrada para o transporte de dados", disse. Mauro ainda destacou novos investimentos nesse mercado pode acabar concentrando todo o fluxo de dados do Nordeste, impulsionando ainda mais o setor, em um ciclo de retroalimentação de demanda. "Esses novos equipamentos farão com que os dados de estados vizinhos passem pelo Ceará, aumentando ainda mais demanda por esse tipo de serviço", disse.

Desenvolvimento

O diretor da Mob ainda acredita que o desenvolvimento do mercado desses centros de processamento será fundamental para o desenvolvimento da Capital, que ainda precisa evoluir para se comprar aos grandes centros mundiais do setor de tecnologia. Mas a perspectiva é boa. "O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) está com um programa de incentivo para projetos relacionados a 'Internet das Coisas' e isso deve acabar também ajudando a criar a demanda por novos data centers", disse.

Além da perspectiva e visão de futuro do mercado relacionado a "IoT", a Mob Telecom vem investindo em data centers há anos, tendo sido a primeira empresa do País a importar um dessas unidades de processamento em contêiner, em 2010. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.