Nove casos de Malária são identificados no extremo sul da Bahia, confirma Secretaria da Saúde

Segundo a Sesab, os casos estão sendo acompanhados e nenhuma morte foi registrada

Foto de mosquito da Malária
Legenda: Segundo Fiocruz, Malária é considerada uma doença potencialmente grave
Foto: Shutterstock

Nove casos de malária foram identificados em cidades no extremo sul da Bahia, por enquanto, pelo menos três municípios da região tiveram a doença confirmada. As informações são da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).

Até o momento, um dos casos foi confirmado em Porto Seguro, outro em Itamaraju  e mais sete em Itabela. Porém, nenhuma morte foi registrada em território baiano.

O caso registrado em Porto Seguro, segundo o Núcleo Regional de Saúde, é de uma idosa de 63 anos. Moradora de um assentamento em Itabela, ela está internada há 15 dias no Hospital Luís Eduardo Magalhães.

Informações oficiais dão conta de que técnicos da Sesab estão acompanhando os casos da região. Para auxiliar no combate ao inseto transmissor da doença, mosquiteiros estão sendo doados a moradores.

Fachada do Hospital Luís Eduardo Magalhães
Legenda: Uma das pacientes diagnosticadas com Malária recebe tratamento no Hospital Luís Eduardo Magalhães
Foto: reprodução/TV Santa Cruz

Sintomas e cuidados

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) delimita que a malária é uma doença potencialmente grave e é transmitida por meio da picada de mosquitos infectados.

Além disso, compartilhamento de seringas e transfusão de sangue também podem ser meios de transmissão, assim como por meio da gravidez.

Entre os sintomas da doença, estão características como febre alta, calafrios, sudorese e dor de cabeça. Além disso, dor muscular, taquicardia e aumento do baço também podem surgir.

Enquanto isso, nos casos letais da doença, o paciente desenvolve o que se chama de malária cerebral. Assim, perturbações sensoriais e desorientação acabam sendo comuns.

Cuidados

Para prevenir a doença, é necessário eliminar o mosquito transmissor. Nesse sentido mosquiteiros, inseticidas e roupas protetoras podem ajudar.

Em sentido mais amplo, drenagens de água parada, limpeza de aterros e controle da vegetação também podem ajudar a impedir o fluxo de proliferação dos parasitas.