Defesa de lutador de jiu-jitsu que matou idoso entra com pedido de 'incidente de insanidade mental'

Lucas Amorim Magalhães, de 40 anos, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva

Escrito por Beatriz Irineu , beatriz.irineu@svm.com.br
lutador de jiu jitsu confrontando polícia após matar idoso
Legenda: O homem fugiu, mas foi baleado e preso pela Polícia Militar
Foto: Reprodução

A defesa do lutador de jiu-jitsu, que matou um idoso e feriu pelo menos sete pessoas em um condomínio de Fortaleza, solicitou a liberdade provisória do homem, no último sábado (6). Os advogados de Lucas Amorim Magalhães ingressaram com um "incidente de insanidade mental". 

"Embora a inimputabilidade não se presuma — a solução depende do resultado do incidente de insanidade, é incontroverso excelência que, no caso, há fortes indícios enfermidade mental. Assim, requer a internação provisória mesmo sem a perícia médica concluída, dados os sinais de doença mental ou efeito de substância entorpecente", diz pedido da defesa a qual o Diário do Nordeste teve acesso. 

Lucas teve a prisão preventiva decretada pela Justiça no último sábado (6). O crime ocorreu no bairro Farias Brito, quando o suspeito desceu para o hall do condomínio, perguntou o que estava acontecendo para um idoso, que respondeu: "nada". Segundo inquérito policial, Getonio Rodrigues Bastos, de 91 anos, estava sentado, quando foi surpreendidO pelo lutador com um abridor de coco. O lutador, então, deu golpes com o objeto no rosto da vítima.

Veja também

Testemunhas relataram a polícia que suspeito já havia tido outras discussões no condomínio. O suspeito possui ainda dois processos por ameaça e fraude arquivados, ocorridos em 2004 e 2005, respectivamente. 

Durante a captura, Lucas foi atingido com um tiro na perna efetuado por agentes da Polícia Militar por resistir a prisão. Ele foi levado ao Instituto Doutor José Frota (IJF). A reportagem apurou que o suspeito foi transferido neste domingo (7) para um hospital particular em Fortaleza. Lucas está sob escolta policial. 

'Aparentando estar sob efeito de substâncias entorpecentes'

Em pedido de prisão preventiva, o Ministério Público do Ceará (MPCE) alega que Lucas estaria sob efeitos de drogas quando o ataque ocorreu na última sexta-feira (5). 

"Narram os fólios que, na ocasião dos fatos, Lucas Amorim Magalhães utilizando um furador de coco, de inopino e aparentando estar sob o efeito de substâncias entorpecentes, atacou diversos moradores e funcionários do supracitado condomínio", diz pedido do MPCE.

O suspeito teria golpeado na cabeça uma moradora, tentado atacar o porteiro, golpeado no peito o zelador do local, matado um idoso e tentado obrigar um morador a "lamber" o sangue da vítima. 

Relembre o crime

O crime ocorreu em uma área comum do edifício residencial. Antes de ser morta com um objeto perfurocortante, a vítima foi atingida por golpes de jiu-jitsu.

O idoso estava sentado em uma cadeira em uma área comum do condomínio, quando o agressor desceu do apartamento dele, chegou e perguntou o que estava acontecendo. A vítima respondeu: "nada". Então, o lutador levantou o homem da cadeira, deu uma rasteira na vítima, que caiu no chão. Em seguida, ele desferiu golpes com um abridor de coco no rosto do idoso.

Outras pessoas tentaram intervir e também foram agredidas. Os moradores chamaram uma ambulância, mas o idoso não resistiu aos ferimentos.

O autor do crime fugiu, mas foi capturado. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a captura foi realizada pela Polícia Militar do Ceará (PMCE).

Ele enfrentou os policiais e resistiu à prisão e um dos policiais baleou o homem na perna. Em vídeo, é possível ver que ele grita e esbraveja enquanto caminha e desobedece os agentes de segurança. 

Os destaques das últimas 24h resumidos em até 8 minutos de leitura.
Assuntos Relacionados