Águas do São Francisco devem chegar ao Castanhão nesta terça-feira (9), prevê SRH

Na manhã desta segunda-feira (8), o recurso hídrico chegou à localidade de Mapuá, zona rural de Jaguaribe, e segue em direção à Jaguaribara, segundo monitoramento da Cogerh

são francisco
Legenda: Em Icó, águas passam pelo Rio Salgado
Foto: Gustavo Veras

As águas oriundas do Rio são Francisco começaram a passar pela localidade de Mapuá, no município de Jaguaribe, na manhã desta segunda-feira (8), e seguem pelo rio Jaguaribe em direção à bacia do Castanhão, em Jaguaribara, com previsão de chegar nesta terça-feira (9). A expectativa foi confirmada pelo secretário executivo da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Aderilo Alcântara.

“A água segue do município de Jaguaribe em direção a Jaguaribara e pode desaguar na bacia do Castanhão amanhã (9). Essa é a maior probabilidade. Estamos muito próximos de realizar esse sonho”, afirma Alcântara.

Técnicos da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) fazem o monitoramento das águas do São Francisco desde o último dia 1º, quando foram liberadas no km 53 do Cinturão das Águas do Ceará (CAC), no chamado trecho emergencial, para o Riacho Seco, seguindo ao rio Batateiras e ao riacho dos Porcos, que formam o rio Salgado, em Missão Velha.

Chuvas de 2021

Inicialmente, os técnicos da Cogerh previam que após a abertura da comporta do CAC, a água iria percorrer cerca de 300 km até a bacia do Castanhão em aproximadamente 30 dias. Entretanto, as chuvas que banharam a região do Cariri e aumentaram o nível do rio Salgado contribuíram para antecipar a chegada das águas do São Francisco ao maior reservatório do Ceará, o Castanhão.

Dois dias antes da abertura da comporta do CAC, no dia 1º passado, houve boas chuvas no Cariri. À noite, após a liberação da água do São Francisco, voltou a chover forte na região e o recurso hídrico seguiu em maior velocidade ao longo do leito do Riacho Seco e, porteriormente, pelo Salgado.

Ico 4
Foto: Gustavo Veras

Alcântara frisou que a estratégia da SRH sempre foi liberar a água do São Francisco durante período chuvoso.

“Se fosse no período seco, a água do CAC demoraria muito a vencer obstáculos nos leitos de riachos e rios até chegar ao Castanhão, e demoraria muito”, afirmou o secretário executivo.

O gerente do escritório regional da Cogerh, em Iguatu, Anatarino Torres, explicou que “desde a abertura da comporta do CAC, os técnicos da Cogerh fazem o monitoramento, realizando medições de vazões e acompanhando os níveis em várias seções ao longo de todo o trecho, da saída no CAC até o Castanhão”.

Caminho das águas

O caminho de cerca de 300 km conduz água das chuvas e da transposição, que se misturam no Cariri e seguem por Missão Velha, Aurora, Lavras da Mangabeira, Icó, Jaguaribe e Jaguaribara, até chegar à bacia do Castanhão.   

Em Icó, cerca de 30 km após a cidade, a água deixa o rio Salgado e entra no rio Jaguaribe, em uma área rural, isolada e de difícil acesso, na localidade conhecida por “Forquilhinha’, justamente por ser uma bifurcação, formato de ‘Y’, da junção dos dois cursos de água.

ico 2
Foto: Gustavo Veras

Em seguida, o rio Jaguaribe segue em direção ao município de mesmo nome e depois à bacia do açude Castanhão, em Jaguaribara. É o velho caminho das águas até chegar ao maior reservatório do Ceará, que está com 10,2%, de acordo com a Cogerh.

Na localidade de Mapauá, a cheia do rio Jaguaribe impede a passagem de veículos sobre a passagem molhada e a travessia de moradores e de mercadorias é feita por barcos. “Aqui é o rio Jaguaribe, mas essa água vem do Salgado”, faz questão de esclarecer, o agricultor, José Nogueira. Na velha Jaguaribara, o rio Jaguaribe também aumentou o volume por causa da cheia anterior provocada pelas chuvas.

Chuva

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) registrou em fevereiro passado – que tem média histórica de 118.6mm – um total de 132.3mm, ou seja, houve um desvio positivo de 11.5% para o período.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará