'Mais do que eleição': deputados cearenses apontam pandemia como prioridade no Congresso

Segundo membros da bancada federal cearense, diante de pautas travadas, é preciso focar no combate às crises econômica e social do País

Deputados cearenses pedem foco nas discussões
Legenda: Deputados cearenses pedem foco em discussões mais urgentes no Congresso Nacional
Foto: Cláudio Araújo

A lentidão nas discussões de pautas consideradas prioritárias para o País tem desagradado parlamentares cearenses na Câmara dos Deputados. Para eles, o empenho visto em discutir matérias como o distritão, a possível adoção do voto impresso e a volta das coligações proporcionais não é o mesmo observado na hora de avançar em debates sobre as reformas administrativa e tributária, ou mesmo no enfrentamento aos impactos da pandemia de Covid-19, por exemplo. 

“Acho que o Brasil tem pautas mais importantes que discutir só eleição e disputa eleitoral. Temos a pauta da economia, temos a crise pós-pandemia que precisa ser resolvida e todo um País que precisa ser reorganizado para a retomada da geração de emprego e plenitude do desenvolvimento econômico”, aponta o deputado federal Danilo Forte (PSDB).

Conforme mostrou o Diário do Nordeste, os acenos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a sua base e as discussões de interesses de seus aliados têm travado o avanço de outras pautas nos parlamentos. No início deste ano, o chefe do Executivo Nacional chegou a sugerir uma lista de prioridades para o Legislativo, mas a maioria dessas propostas ainda está tramitando, sem previsão de ser votada. 

Eleições x pandemia

O deputado Eduardo Bismarck (PDT) lamenta que discussões de interesse eleitoral ganhem protagonismo na Casa frente a um cenário de crises econômica e sanitária.

“Estamos vivendo uma crise sanitária e principalmente uma retomada na qual precisamos tratar da crise econômica. Isso que deveria ser a pauta prioritária da Câmara dos Deputados”, disse em entrevista ao programa PontoPoder, da TV Diário. 

VEJA A ENTREVISTA COMPLETA

De acordo com José Airton Cirilo (PT), o Legislativo está “sendo prisioneiro da dinâmica do Executivo”.

“Inegavelmente, a agenda que o Executivo tem encaminhado, entre elas uma quantidade absurda de medidas provisórias, acaba exigindo demais do Legislativo. A pauta do Congresso fica condicionada à pauta do Executivo, e acaba discutindo algumas matérias de interesse do Governo Federal em detrimento de outras mais relevantes para a Nação”, reclama. 

Combate às crises

Para o petista, o foco das discussões deveria ser o combate à crise econômica e social desencadeada pela pandemia de Covid-19.

“É fundamental que sejam discutidas formas de gerar emprego e renda, é uma política emergencial. A outra pauta fundamental é o enfrentamento à pandemia, porque não há uma política estratégica do Governo Federal com estados e municípios. Por fim, acrescento a defesa da democracia. Precisamos desse enfrentamento e o Brasil precisa repensar o papel das instituições”, conclui.  

O deputado Heitor Freire (PSL) pondera que faz parte da função dos legisladores discutir os assuntos em evidência no País, mas reconhece que algumas pautas precisam ganhar celeridade. 

“Reconheço que temos, sim, assuntos que também precisam da nossa atenção, como o avanço da vacinação e a retomada total das atividades econômicas. Essa semana foi pautada a reforma tributária, mas infelizmente acabou saindo da pauta", cita.

"Eu considero as reformas administrativa e tributária essenciais para desinchar o Brasil e melhorar o ambiente para a geração de emprego, que é uma das nossas prioridade”, completa.


Assuntos Relacionados