Heitor Férrer propõe reforma da Previdência municipal e diz que não é apadrinhado de Eunício

De acordo com ele, é necessário uma reforma para conter o déficit previdenciário do município. Na quinta (22), o entrevistado do PontoPoder Eleições será Célio Studart (PV)

fotografia
Legenda: Essa é a quarta vez que Heitor Férrer disputa o comando do Paço Municipal
Foto: Isanelle Nascimento

O candidato do Solidariedade (SD) à Prefeitura de Fortaleza, Heitor Férrer, propôs, na noite desta quarta-feira (21), fazer uma reforma da Previdência municipal para equilibrar os custos da aposentadoria de servidores, caso seja eleito. Ele ressaltou, ainda, que não é apadrinhado pelo senador Eunício Oliveira (MDB), presidente do partido que compõe a sua chapa, e que não tem 'padrinhos políticos', embora tenha dito que "se houver desejo dele, nós estaremos de tapete azul para que ele possa entrar na campanha”. As declarações foram dadas em entrevista ao PontoPoder Eleições, exibido na TV Diário. 

Heitor Férrer foi o sexto prefeiturável a ser entrevistado no programa, que vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 21h55, na TV Diário. Nesta quarta, o jornalístico foi exibido mais cedo, às 20h45. Também já foram entrevistados Anízio Melo (PCdoB), Capitão Wagner (Pros), Luizianne Lins (PT), Renato Roseno (Psol) e Heitor Freire (PSL). Na quinta-feira (22), o entrevistado, definido em sorteio realizado com a participação de representantes dos partidos, será Célio Studart (PV).

Veja a entrevista de Heitor Férrer no PontoPoder Eleições

De acordo com Heitor Férrer, o custo da Previdência municipal para os cofres de Fortaleza é de cerca de R$ 1 bilhão por ano. Ele afirmou que há um déficit de R$ 13 bilhões que não pode ser diminuído sem uma reforma, uma vez que a Prefeitura já injeta recursos para custear aposentadoria e pensão de servidores.

"As contas públicas são de responsabilidade do gestor. O IPM (Instituto de Previdência do Município) passa por uma situação muito delicada porque tem o déficit de R$ 13 bilhões e, anualmente, o Município é obrigado a colocar na Previdência municipal cerca de R$ 400 milhões, porque as arrecadações somam R$ 600 milhões. Portanto, há de se fazer uma reforma da Previdência, porque a obrigação do gestor é de aposentar o servidor público nas condições de sua atividade. Por isso que nós vamos tratar de fazer uma reforma da Previdência respeitando os direitos dos servidores públicos. Você tem que fazer (com) que a Previdência seja viável para quem vai se aposentar e para quem já está aposentado", justificou, sem dar detalhes sobre a proposta de reforma.

O candidato também falou sobre habitação e disse que pretende construir moradias populares para pessoas em situação de vulnerabilidade social. 

"Fortaleza tem 800 mil pessoas vivendo em aglomerados urbanos, vivendo em condições sub-humanas, elas têm que ser assistidas pelo poder público através de políticas públicas, e nós vamos fazer um grande programa de moradia popular para contemplar os que precisam. Será a 'Moradia Cidadã'. Um exemplo prático: a atual administração aplicou R$ 1,6 bilhão em urbanismo, e, em moradia popular, apenas R$ 97 milhões. Vamos inverter essa prioridade, o cimento migrará das áreas nobres para as áreas mais vulneráveis no sentido de equilibrar socialmente nossa população", prometeu.

Ao ser questionado sobre Saúde, ele ressaltou que irá fazer concurso público para preencher quadros e se comprometeu a assegurar que haja pelo menos um médico ginecologista em cada posto de saúde da Cidade. Além disso, Férrer afirmou que pretende criar o Centro de Imagem de Fortaleza, voltado apenas à realização de exames de imagem, como tomografia e ultrassonografia.

"Vamos colocar um ginecologiosta em todos os postos de saúde para dar um tratamento preventivo do câncer de mama, de útero e de ovário; criar também o Centro de Imagem do Municipio. É inaceitável que o cidadão se consulte, o médico peça uma tomografia, uma ultrassonografia, uma ressonância magnética e esse paciente saia do posto entregue à propria sorte. Faremos concurso público para dotar esse equipamento, para que a sociedade seja atendida", reforçou.

Questionado sobre a aliança com o MDB na chapa e ausência do ex-senador Eunício Oliveira, líder emedebista no Ceará, dos atos de campanha, Férrer respondeu que não tem padrinho político. Ele afirmou, contudo, que o ex-senador se comprometeu com aporte de recursos para a campanha e que, se for da vontade de Eunício, ele espera participação mais direta do aliado na disputa.

"O Eunício é um aliado nosso, estamos em pé de igualdade. Eunício é presidente de um partido estadual, o Genecias (Noronha) é presidente do partido estadual (do SD) e eu sou presidente de um partido municipal. Estamos todos em pé de igualdade. Não tem tutor, nem tutelado. Não tem padrinho nem afilhado", respondeu.

Veterano

Antes do início do programa, Heitor Férrer destacou que suas participações em pleitos anteriores, apesar de não vitoriosas, contribuem para lhe fortalecer politicamente. É a quarta vez que ele disputa o comando do Paço Municipal. “Cada vez há um amadurecimento a mais e engradece o nosso nome”, ressaltou.

Entrevistas

O programa PontoPoder Eleições, da TV Diário, que vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 21h55, iniciou uma série de entrevistas no dia 12 de outubro com os postulantes à Prefeitura de Fortaleza. Os candidatos de partidos que têm representação mínima na Câmara dos Deputados determinada pela legislação eleitoral para participação nos debates são questionados sobre suas propostas para eventual gestão municipal. O PontoPoder Eleições também é transmitido no canal do PontoPoder no YouTube e no site do Diário do Nordeste.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política