Ceará e Fortaleza: o que importa é a Série A

Com foco dividido em competições paralelas, nossos times não tem tido um bom início de Brasileirão

Vojvoda e Dorival Júnior no gramado da Arena Castelão
Legenda: Vojvoda e Dorival Júnior no gramado da Arena Castelão
Foto: Kid Júnior (SVM)

Não que a justificativa seja "apenas" essa, mas o fato de Ceará e Fortaleza estarem com calendário cada vez mais recheado, tem atrapalhado o início de Campeonato Brasileiro.

Mesmo quando o técnico não poupa jogadores priorizando alguma competição, sabemos que nosso calendário não permite que haja o descanso adequado entre um jogo e outro, gerando um desgaste grande dos atletas, provocando uma queda de rendimento.

Ano passado, eliminado precocemente da Copa do Nordeste, sem jogar Libertadores ou Sul-Americana, o Fortaleza pôde voltar suas atenções inteiramente para a Série A.

Em 2022, conseguimos facilmente exemplificar essa situação olhando para nossos dois times:

  • Visivelmente pensando na Liberta, Vojvoda poupou diante do Cuiabá. (Derrota)
  • Rodada seguinte, com o time desgastado por conta da viagem para a Argentina, derrota contra o desarrumado Internacional, em Porto Alegre.
  • Necessitado em começar a pontuar no Brasileiro, time forte contra o Corinthians, cansou no segundo tempo e teve uma terceira derrota em três rodadas.

No caso do Ceará, a boa situação na Sul-Americana, com 100% de aproveitamento, tem custado o desempenho no Campeonato Brasileiro.

Na Sula, mesmo contra adversários extremamente fracos tecnicamente, Dorival júnior não tem preservado a equipe. Todo jogo a mesma base vai a campo.

O Ceará não tem conseguido ter intensidade durante os 90 minutos e isso custou duas derrotas em casa.

Contra Botafogo e Bragantino, só conseguiu ser superior em um dos tempos e quando já estava atrás no placar.

Só a título de lembrança: no último rebaixamento do Vovô na Primeira Divisão, em 2011, o time foi semifinalista da Copa do Brasil.

E ainda tem essa competição nesse meio, que também não houve preservação, mesmo contra equipes frágeis (Vitória e Tombense).

Para mim, fica claro que nós não temos, ainda, condições de encarar duas frentes com a mesma qualidade.

Por isso, clubes que não tem um elenco vasto, investimentos gigantes, precisam priorizar em algum momento da temporada. 

E para nossas equipes, o momento é agora. O Brasileirão é traiçoeiro, ele lhe engana. A falsa sensação de que é um campeonato longo, que depois dá pra reagir, pode te colocar em uma situação muito ruim de "correr atrás". 

Portanto, se é necessário dar mais atenção a alguma disputa, a Série A, para mim, está em primeiro, segundo e terceiro lugar.