Testes para professores e funcionários de escolas particulares são suspensos em Fortaleza

Liberação de novos insumos depende da elaboração de lista dos profissionais que já passaram por testagem para identificação do novo coronavírus

Escrito por Redação, metro@svm.com.br

Metro
Foto mostra testagem dos professores
Legenda: Testagem iniciou no último fim de semana para a categoria que retoma as atividades presenciais
Foto: Natinho Rodrigues

A realização de testes para o novo coronavírus, destinada a professores e funcionários de escolas particulares, foi suspensa em Fortaleza. Os profissionais da Educação Infantil estão sem acesso aos exames do processo de testagem em massa que se iniciou no último sábado (29).

Os professores e funcionários da iniciativa privada foram informados sobre a suspensão temporária do processo de testagem pelo Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe), na tarde desta terça-feira (1º). A organização informou que a retomada da realização dos exames depende da autorização da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). 

No entanto, a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa) disse que "irá disponibilizar novos insumos quando tiver acesso à relação de profissionais testados anteriormente". Foram destinados, segundo a Pasta, 6.000 kits para as escolas particulares.

Parte da categoria tem receio de não conseguir o resultado antes do retorno das aulas presenciais. Algumas escolas retornaram às atividades presenciais no dia 1º de setembro, mas outras escolas devem retomar as aulas apenas na próxima semana. Para isso, entretanto, é preciso que os professores e funcionários tenham sido testados. 

“Infelizmente, até o momento, os kits de testes e EPIs ainda não foram autorizados. Desse modo, inviabilizando a continuidade de coletas nos centros universitários amanhã dia (2)”, informa o comunicado assinado pela presidente da organização, a professora Andréa Nogueira.

Já a Secretaria da Saúde informou, por nota, que foram disponibilizados 6.000 kits de coleta de exames de biologia molecular (RT-PCR) para as escolas particulares, responsáveis por realizar a testagem nos funcionários. "A Sesa irá disponibilizar novos insumos quando tiver acesso à relação de profissionais testados anteriormente", acrescentou.

O processo de testagem segue o decreto estadual que estabelece o treinamento de representantes, a distribuição de material e a análise dos exames. Essa ação contribui para monitorar o cenário enquanto acontece a retomada das aulas presenciais em creches e escolas infantis, autorizadas desde a terça-feira (1º) em Fortaleza e municípios vizinhos.

Flávia Sales, coordenadora de uma instituição de ensino na Capital, tem receio que muitos profissionais não consigam realizar a testagem antes do retorno, programado para o dia 8 de setembro em parte das escolas. “Inicialmente eles disseram que essa testagem ia acontecer no sábado e no domingo para os professores de Educação Infantil. Alguns fizeram, mas outros não conseguiram. Tinha um link para cadastrar seu nome e quando chegava lá, só fazia a testagem quem tinha conseguido fazer o cadastro”, acrescenta.

Devido às instabilidades no sistema, como relata a coordenadora, vários profissionais não conseguiram realizar o teste. “Eu tive um grupo de professores que foram na Messejana e não conseguiram, foram na Uni Fametro (outro ponto de testagem) e não conseguiram. À noite o Sindicato mandou uma postagem dizendo que hoje (1º) não ia funcionar e pediu que as escolas fizessem um cadastro com o nome de todos os funcionários e professores”.