Rio Cocó: novo passeio para a população busca ampliar preservação

A nova rota, que funcionará em esquema de agendamento prévio, percorre todo o rio até a foz, entre Caça e Pesca e Sabiaguaba; durante o passeio, educador fala sobre fauna, flora e respeito aos recursos naturais

Escrito por Redação,

Metro
Legenda: Uma média de 40 a 50 pessoas realizam, nos fins de semana, o passeio de 20 minutos pelo Rio Cocó
Foto: Foto: Natinho Rodrigues

"Mate só o tempo, deixe só pegadas, tire só fotos, leve só lembranças". Os quatro mandamentos do turismo ecológico vivem na ponta da língua e na proa do barco do tenente da reserva da Polícia Militar e ex-comandante do Batalhão de Polícia do Meio Ambiente (BPMA), Francisco de Assis Araújo, atual responsável por levar a população para conhecer, por dentro, o Rio Cocó, em Fortaleza. Uma nova rota do passeio de barco, de duas horas de duração, foi inaugurada nesta terça-feira (21) como mais uma estratégia para aproximar as pessoas e conquistá-las como aliadas para a preservação ambiental.

"A partir do momento em que você conhece e vê que há vida em abundância por aqui, você também vai fazer parte disso. O Cocó é nosso, um patrimônio do povo, cabe a nós cuidar. A importância desse passeio é as pessoas conhecerem essa nossa riqueza para aprenderem a respeitar. Muitos nem sabem que isso aqui existe", ressalta o tenente, que percorre cada uma dessas veias que irrigam os pulmões de Fortaleza desde a inauguração do Parque do Cocó, nos anos 1990.

Atualmente, segundo ele, uma média de 40 a 50 pessoas realizam, nos fins de semana, o passeio de 20 minutos, que sai do Píer da Rua Sebastião de Abreu e segue até a Av. Engenheiro Santana Júnior, percorrendo parte dos 20km de rio que passam dentro do Parque. Já a nova rota, que funcionará em esquema de agendamento prévio, tem o mesmo ponto de partida, mas percorre todo o rio até a foz, entre Caça e Pesca e Sabiaguaba.

Manutenção

A permissão para que o tenente, proprietário das embarcações, opere a atividade na área de preservação é concedida por um Termo de Compromisso celebrado com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), sob obrigação de manter o rio limpo. Para Francisco de Assis Araújo, a contrapartida é, na verdade, uma missão. "Eu nunca canso de falar de meio ambiente, e tiro lixo daqui de dentro todo dia. É triste". O titular da Sema, Artur Bruno, destaca que a ampliação da rota de passeio "vai favorecer turismo ecológico, pesquisas e estudos ambientais e históricos" sobre o território, o que deve complementar a ocupação responsável do Parque Estadual do Cocó. "Até o fim do ano, nós teremos nove Areninhas, Praça Mais Infância, biblioteca e mobiliário ao longo do parque. Estamos tentando trazer a população para cá, para amar e cuidar".

Morada

Para o tenente Araújo, que fala das águas, do verde e dos bichos com a propriedade de quem conhece cada canto, a consciência de que todos os 1.571 hectares do Parque do Cocó pertencem a cada cidadão já despertou - tanto que ele já nem distingue se o Parque e o Rio Cocó são primeira ou segunda casa.

"Já estou meio confuso com relação a isso. Talvez seja mesmo a primeira".