Negros são a população que mais trabalha sem estudar no Ceará

Quase 560 mil pessoas entre 15 e 29 anos estão ocupadas no mercado de trabalho, mas não frequentam unidades de ensino

Legenda: Entre a população feminina do Ceará, 30,4% apenas estudam, conforme a PNAD Contínua.
Foto: Foto: Thiago Gadelha

Das 2,22 milhões de pessoas de 15 a 29 anos de idade no Ceará, no ano passado, 10,1% estavam ocupadas e estudando, 28,5% não estavam ocupadas nem estudando; 28,2% não estavam ocupadas, porém estudavam; e 33,2% estavam ocupadas, mas não estudando. No Estado, a população negra é a que mais está inclusa nessa última categoria.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), divulgada nesta quarta-feira (19), 33,7% dos 1,66 milhão de pretos e pardos dessa faixa etária no Ceará trabalham, mas não estudam. A taxa cresceu 1,4% comparada aos 32,3% registrados em 2016. Na população branca, porém, houve queda: o dado passou de 32,1% para 31,8%.

Outro dado que chama a atenção é que a população negra é a que possui menor ocupação diária: 30% dela não trabalha e nem estuda. Na população branca, o mesmo índice é de 23,5%. Mais uma disparidade se revela entre as pessoas que apenas estudam: 32% são brancas e 27% são pretas e pardas.

Gênero

Quando a análise passa para os gêneros, nota-se que 40% dos homens trabalham, mas não estudam, no Ceará. Outros 22,8% estão desocupados (há três anos, eram 21,6%), enquanto 11,2% tanto trabalham como estudam. Do total, 26,1% apenas estudam.

Na população feminina, a maior parte nem trabalha nem estuda: 34,6%. Em seguida, vêm aquelas que apenas estudam (30,4%); as que trabalham, mas não estudam (26%); e, por último, as que realizam as duas atividades (9%). Dentre estas últimas, houve uma queda, já que, em 2016, 10,8% delas conciliavam trabalho e estudo.

PNAD

A Pesquisa retrata o panorama educacional da população do Brasil, resultado do questionário anual de educação com referência no segundo trimestre de 2018, assim como algumas comparações com os resultados do mesmo trimestre dos anos de 2016 e 2017.



Redação 03 de Julho de 2020