Com 125 casos de coronavírus, Ceará passa a avaliar passageiros no Aeroporto de Fortaleza

Serão avaliados tanto passageiros que chegam de voos nacionais como vindos do exterior; uma equipe de profissionais da saúde deve passar a atuar no Aeroporto Internacional de Fortaleza a partir de hoje (23)

Legenda: De acordo com o governador, os passageiros serão avaliados por equipes da Sesa e da Prefeitura
Foto: Foto: Camila Lima

Uma nova medida para ampliar a possibilidade de identificação de novos casos do coronavírus será posta em prática no Ceará a partir desta segunda-feira (23). Passageiros que desembarcarem no Aeroporto de Fortaleza, sejam de voos nacionais ou internacionais, serão avaliados por uma equipe de profissionais da saúde, conforme anunciou o governador Camilo Santana durante uma transmissão ao vivo pelo Facebook, na tarde de ontem (22).

Após completar uma semana desde a confirmação dos primeiros casos de coronavírus no Ceará, o total de registros no Estado chegou a 125 neste domingo (22), conforme o boletim divulgado pela Secretaria da Saúde (Sesa). A quantidade representa um aumento de aproximadamente 48,8% em relação à última atualização, que contabilizava 84 casos.

"Hoje, o Ceará está entre os quatro Estados com maior número de pessoas contaminadas pelo coronavírus. Também somos hoje um dos quatro estados com maior fluxo de passageiros internacionais no Brasil, então é fundamental esse controle no aeroporto", afirma o governador.

Segundo ele, o monitoramento de passageiros será feito por equipes da Sesa e da Prefeitura de Fortaleza, que utilizarão pistolas térmicas para avaliar os pacientes. O gestor pontua que, no Estado, vêm sendo realizados 120 testes do coronavírus por dia.

Inspeção

A Justiça Federal no Ceará havia determinado, no último sábado (21), que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não impedisse o Governo do Estado de implantar barreira sanitária e inspeção de passageiros no Aeroporto de Fortaleza.

A determinação do juiz federal Ricardo Ribeiro atendeu a um pedido da gestão Estadual diante da falta de resposta da Anvisa sobre solicitações de suspensão de voos internacionais e adoção de barreiras sanitárias no Aeroporto de Fortaleza. O magistrado estabeleceu, ainda, que a Agência deve ajudar o Executivo Estadual a realizar as medidas, sob pena de multa de R$ 500 mil.

No documento, o juiz Ricardo Ribeiro afirma que deve ser feita uma triagem no aeroporto, com monitoramento de temperatura e assistência médica. Caso seja necessário, pode ser solicitado um questionário e coleta e análise de dados dos passageiros. Em caso de descumprimento, auxílio policial pode ser utilizado para fazer valer a decisão.

Começam também nesta segunda-feira (23) os atendimentos a pacientes no Hospital Leonardo Da Vinci, nova unidade de retaguarda da rede Estadual de saúde com 230 leitos. "É um hospital que vai receber os pacientes que precisam ser internados aqui no Ceará", ressalta Camilo Santana. Os profissionais que trabalharão no hospital passaram pelos últimos treinamentos internos no domingo (22).

Você tem interesse em receber mais conteúdo da cidade de Fortaleza?


Redação 21 de Setembro de 2020