Chegada do 5G trará oportunidades para novas tecnologias e mercado de trabalho

O curso de Engenharia da Computação é um dos que proporciona o aprendizado necessário para que profissionais tirem o maior proveito do 5G

Escrito por Agência de Conteúdo DN,

Metro
Legenda: A cobertura de 5G é esperada para todas as capitais até julho de 2022
Foto: Shutterstock

Concluído no último mês de novembro, o leilão do 5G no Brasil abrirá espaço para novas oportunidades no mercado da tecnologia no país. De acordo com as estimativas, o 5G deve estar disponível nas capitais brasileiras até julho de 2022, com as demais cidades sendo englobadas até 2029. Um dos focos do projeto é levar internet móvel para um número cada vez maior de brasileiros, por conta da capacidade de expansão da tecnologia. 

Além desse ponto, uma das vantagens em relação ao uso do 4G é o foco nas indústrias, que permitirá que aplicações em itens baseados em Internet das Coisas, por exemplo, tenham a possibilidade de amplas conexões para diferentes dispositivos. 

“Com a expansão da capacidade de comunicação, pode-se falar que agora é possível monitorar e controlar praticamente qualquer processo industrial em tempo real, uma limitação que era imposta pela antiga geração, o 4G. A quarta revolução industrial, que está ligada a Internet das Coisas, tem como um de seus pilares o 5G. Toda essa interação entre homem e máquina poderá ser encurtada e atuar em tempo real”, explica André Lunardi, professor do curso de Engenharia da Computação da Universidade de Fortaleza (Unifor).

Segundo o professor, as oportunidades trazidas pelo 5G também ocorrem no mercado de trabalho, pois os novos equipamentos irão demandar profissionais como os engenheiros da computação para desenvolverem as possibilidades de interação com a tecnologia.

“Para que o 5G seja acessível e possa ser utilizado, é necessário que as pessoas, empresas, máquinas, carros, praticamente tudo, possa ser ligado a internet. Para que esta ligação seja possível, se torna necessário integrar um sistema embarcado em cada um destes elementos. O sistema embarcado é uma eletrônica de sensoriamento e atuação, controlado por um software, para poder coletar, informar, receber e atuar de forma instantânea. E para desenvolver isso, os engenheiros da computação são profissionais habilitados para tal”, reforça.

André ressalta que esse avanço irá atualizar muitas das atividades realizadas hoje. “Alinhado com a Internet das Coisas, o aparelho, seja ele qual for, como um eletrodoméstico, um aparelho de entretenimento, um equipamento médico, e assim por diante, terão uma melhor oportunidade de comunicar e trocar informações relevantes. Tudo isso graças ao poder e abrangência desta nova geração de rede de dados.”

Oportunidades para os estudantes

No mercado que se expande com o 5G, o profissional formado em engenharia da computação é capaz de realizar o monitoramento, controle e interação com qualquer tipo de equipamento ou produto. Dessa forma, o curso universitário abre oportunidades de atuação em diferentes segmentos. 

“Esta entrada paralela, este caminhar em conjunto é uma oportunidade de que somente o engenheiro tem a competência de viabilizar, que é desenvolver uma tecnologia inovadora em função de uma possibilidade de comunicação de dados que era inviável até os tempos de hoje”, finaliza André Lunardi. 

Saiba mais sobre o curso de Engenharia da Computação da Unifor