Ceará deve receber 3 milhões de doses da CoronaVac no fim de agosto, confirma diretor do Butantan

Informação foi concedida por Dimas Covas em coletiva de imprensa na manhã desta quarta (11)

Escrito por Redação,

Metro
Enfermeira manuseia dose da vacina CoronaVac
Legenda: Doses extras de CoronaVac serão utilizadas para imunização de 1,5 milhão de cearenses
Foto: Miguel Schincariol/AFP

O Ceará deve receber as doses da vacina CoronaVac vindas do Instituto Butantan ainda no fim do mês de agosto, segundo informação concedida em coletiva na manhã desta quarta (11) por Dimas Covas, diretor do Instituto. Inicialmente, o contrato assinado na última segunda pelo Governo do Estado do Ceará prevê a chegada de 3 milhões de doses do imunizante. As informações são do jornal O Globo. 

Conforme os detalhes cedidos por Covas, o repasse deve acontecer assim que as entregas previstas ao Ministério da Saúde sejam concluídas efetivamente. 

Ao todo, o documento entre Butantan e governo federal delimita 100 milhões de doses ao PNI até 30 de setembro. Entretanto, segundo o governo de São Paulo, o repasse total deve ocorrer antes, até 31 de agosto.

Dimas Covas em coletiva de imprensa do Instituto Butantan
Legenda: Dimas Covas confirmou a previsão inicial para data do repasse das doses extras ao Ceará
Foto: divulgação/Governo de SP

"O contrato (com o governo cearense) está na fase de finalização, já foi assinado. Uma das cláusulas é que nós vamos entregar, mas assim que cumprirmos o contrato com o Ministério. Está previsto até o fim deste mês, sim, a entrega das primeiras doses para o Ceará", declarou Dimas Covas. 

Previsão do secretário

Ainda na última segunda-feira (9), o secretário da Saúde do Estado do Ceará, Dr. Cabeto, revelou que o documento levantava a possibilidade da chegada das doses ainda no dia 25 de agosto.

"Está colocado em contrato a possibilidade e a necessidade de o Ceará receber essas três milhões de doses em 25 de agosto. Nós já estamos preparando a estrutura para vacinar todo mundo muito rápido", disse após a assinatura enviada ao Instituto Butantan.

As doses extras, que chegarão fora do Plano Nacional de Imunização (PNI), devem ser utilizadas para a imunização de 1,5 milhão de cearenses. A outra metade será armazenada para aplicação de segunda dose (D2).

Ainda segundo Cabeto, a intenção é imunizar a população tão logo as doses sejam coletadas em solo cearense. Para isso, uma estrutura de vacinação rápida já estaria sendo organizada.