60% dos bebês hospitalizados se recuperaram da Covid-19 no Ceará

Dados mostram que 1.392 crianças tiveram casos confirmados de Covid-19 no Ceará de janeiro a abril de 2021

Pétala Régis de Oliveira Vera
Legenda: Pétala Régis de Oliveira Vera passou 13 dias dos seus 2 meses de vida internada devido a complicações no quadro de Covid-19, mas se recuperou e não há sinais de sequelas
Foto: Arquivo pessoal

Dos 47 bebês hospitalizados com Covid-19 no Ceará em 2021, 28 superaram a doença e 19 vieram a óbito. Apesar do número de internações de crianças com menos de um ano acometidas pelo vírus ser menor do que o de adultos, os pacientes nesta faixa etária têm sido mais afetados na segunda onda da pandemia.

As hospitalizações dos primeiros três meses de 2021 já correspondem a 29,7% das 158 registradas em 2020. Os dados são do boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), lançado em 8 de abril. 

VACINÔMETRO NO CEARÁ | COVID-19

Entretanto, ainda de acordo com o documento, o número de mortes nessa faixa etária (menos de um ano) de janeiro até 6 de abril de 2021 já corresponde a 79% da quantidade registrada até dezembro de 2020 pela secretaria (24 óbitos).

Em relação aos casos confirmados da doença, 2021 já conta com 1.392 bebês infectados. Isso equivale a 63% dos casos positivos do primeiro ano de pandemia no Ceará, que somaram 2.208.

“Era esperado que o número de crianças internadas aumentasse, porque a exposição dessas crianças aumentou. Mesmo que elas, proporcionalmente em relação aos adultos, compliquem menos, quando o número de infecções aumenta, a proporção [de casos com complicações] segue”, afirma o infectologista pediatra Robério Leite. 

Recuperação

Pétala Régis de Oliveira Vera, de 2 meses, teve de passar 13 dias internada devido a complicações no quadro de Covid-19. Depois de todos da família pegarem a doença ao mesmo tempo, no fim de fevereiro, Layza Régis de Oliveira (26), mãe da bebê, ficou aliviada com o teste negativo da filha. No entanto, dois dias após o resultado, Pétala começou a ter febre intensa e recorrente.

“Internaram ela justamente no dia que ela fez 30 dias. Ela era muito pequena e os médicos estavam entre duas coisas: covid e pneumonia. Porque deu alteração no sangue e no pulmão, como se tivesse um pouco de secreção”.

O resultado positivo do segundo exame confirmou as suspeitas de Covid-19. Após tratamento intenso, com fisioterapia pulmonar duas vezes ao dia, Pétala conseguiu superar a doença e a dificuldade de respirar apresentada durante a internação.

A ansiedade, de acordo com Layza, era ainda maior devido às complicações respiratórias que a bebê teve no parto. A mãe conta que Pétala inalou o mecônio durante o nascimento, o que corresponde às primeiras fezes da criança. Por isso, as primeiras horas de vida foram tensas, em observação e com ajuda de oxigenação externa.

“A gente sabe que a covid não é uma doença que melhora e fica tudo ok. Se eu tenho sequelas, então pra ela, que é um bebê tão pequenininho, que já nasceu com essa dificuldade, a gente ficou com muito medo de talvez ela não resistir”.

Apesar das dificuldades no parto e da Covid-19, não há sinais de sequelas em Pétala. “Tive muito medo. Então, quando a doutora falou que ela estava liberada, foi uma mistura de felicidade, alívio e gratidão. É inexplicável”, lembra Layza.

“Para a glória de Deus, deu tudo certo. Ela tá crescendo bem, tá gordinha”, conta. A observação de sintomas ainda é rotina na casa da família, mas tudo indica que Pétala teve a saúde restaurada.

Sequelas

“É uma doença nova, a gente ainda está aprendendo quais são as sequelas a longo prazo”, diz o infectologista. Apesar de que muitas sequelas possam ser tratadas, Robério explica que é necessário um acompanhamento após a doença. Por serem crianças muito novas, danos no pulmão e no coração causados pela Covid-19 correm o risco de prejudicarem o desenvolvimento de órgãos. 

Internações em Fortaleza

Durante a pandemia, a Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac) registrou 9 casos de Covid-19 em bebês e todos foram recuperados. Nos hospitais da Unimed, apenas um bebê testou positivo. Já na rede Hapvida, uma criança encontra-se internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) infantil devido à doença. 

Na rede estadual, o Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC) registrou 12 internações de recém-nascidos na unidade chamada no Eixo Covid Neonatal, sendo 7 entre março a dezembro de 2020, e 5 entre . De janeiro a março de 2021, foram internados 5 recém-nascidos, também positivados para a doença.

O HGCC, de perfil terciário de alta complexidade, é referência para o cuidado obstétrico e neonatal a pacientes com Covid. São 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e 24 leitos para gestantes e puérperas suspeitas ou confirmadas para Covid-19. 

No Hospital Infantil Albert Sabin, foram registradas 18 crianças, de 0 a 1 ano, internadas com diagnóstico positivo para Covid-19, de março a dezembro de 2020. De janeiro a março de 2021, foram internadas 33 crianças, na mesma faixa etária, com diagnóstico positivo da doença.  O hospital mais que triplicou a oferta de leitos de UTIs pediátricas para Covid-19 em 2021.

Por ser hospital de referência e de assistência terciária, o Hias atende doenças graves e crianças que já têm comorbidades e maior risco de agravamento da doença. A unidade recebe pacientes pediátricos de todo o Ceará.  Todas as crianças diagnosticadas com Covid estão sendo devidamente assistidas e recebem tratamento adequado em ala isolada.

Vacinas para crianças

As crianças ainda não estão incluídas nos grupos que devem receber as vacinas disponíveis atualmente contra a Covid-19. Isso ocorre porque estudos conclusivos sobre a eficácia dos imunizantes em pessoas menores de 18 anos ainda não foram divulgados. No entanto, o infectologista afirma que as pesquisas são promissoras, mostrando que a resposta imunológica que as vacinas têm causado nas crianças é robusta.

“A gente não acredita que tenha o controle da pandemia a longo prazo sem a inclusão das crianças na vacinação. Ainda que elas não representem o maior problema de saúde pública nesse momento do ponto de vista da infecção, das complicações, mas elas representam uma parte da transmissão, embora menos efetivamente que os adultos”, afirma.  

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza