540 mil famílias cearenses passaram fome ou tiveram dificuldades de acesso a alimentos, aponta IBGE

Levantamento incluiu mais de 2,8 milhões de domicílios do Ceará, entre os anos de 2017 e 2018; do total, 175 mil famílias enfrentaram insegurança alimentar grave, chegando à fome

Quase uma a cada cinco famílias cearenses (19%) passaram fome ou tiveram dificuldades para conseguir acesso à alimentação, entre os anos de 2017 e 2018, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, divulgada nesta quinta-feira (17), mostrou que 540 mil domicílios do Ceará enfrentaram insegurança alimentar grave ou moderada, no período, atingindo quase 1,9 milhão de pessoas. 

Conforme o IBGE, a insegurança alimentar é classificada em três níveis: leve, quando a qualidade da alimentação já está comprometida e somada à preocupação quanto ao acesso futuro; moderada, os moradores têm quantidade restrita de alimentos; ou grave, quando a privação para obter alimentos é tão grande que chega à fome.

Pelo menos 1,3 milhão dos 2,8 milhões de domicílios cearenses entrevistados apresentou algum nível de insegurança alimentar, entre 2017 e 2018. Do total, 786 mil foram classificados com vulnerabilidade "leve"; 365 mil, "moderada"; e 175 mil, "grave". Portanto, cerca de 540 mil famílias passaram fome ou tiveram dificuldades para acessar alimentação.

O último levantamento sobre o assunto foi a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2013, quando o número de famílias em vulnerabilidade alimentar grave ou média era menor, cerca de 332 mil. O crescimento em cinco anos, então, foi de aproximadamente 6,5%

"Quando falta, Deus ajuda"

Na amostra preocupante de famílias com insegurança grave está a de Maria Ferreira, catadora de resíduos recicláveis que acorda à 4h, três vezes por semana, na tentativa de garantir o sustento. “O que a gente apura com a reciclagem compra comida, paga energia, água e vai levando”, relata. “Às vezes a comida não dá, porque é muita gente em casa e tem que ter pra dar aos meninos. Nem que seja um pouquinho, mas tem que dar para eles”, completa. 

“Quando falta, Deus ajuda, ou então a gente faz uns dois ovos para todo mundo aqui dividir”, pontua Maria. 
   

Para ela, que compartilha a casa com mais quatro pessoas, a única renda é a reciclagem. Com a pandemia, a situação se agravou. "Ficou pior ainda a situação, com os depósitos de reciclagem fechados. A minha sorte é que as pessoas que me veem na rua me perguntam se eu quero uma ajuda, um arrozinho, um feijão, aí eu trago pra casa.”

Iniciativas

Segundo Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), para combater a insegurança alimentar, o Governo do Estado tem atuado através de diversos programas, como o Cartão Mais Infância, que beneficia, mensalmente, mais de 45 mil famílias em situação de extrema pobreza com o valor de R$ 85. “A transferência de renda é feita para famílias com crianças na primeira infância e em situação de extrema pobreza”, explica, em nota.  

O programa Mais Nutrição é outro dos auxílios oferecidos, segundo a Pasta. Por meio dele, já foram doadas mais de 500 toneladas de alimentos para cerca de 27 mil cearenses. Hoje, o programa beneficia aproximadamente 16 mil crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, de 91 entidades de Fortaleza, Caucaia e Maracanaú.  

Quanto aos novos projetos, a SPS destacou que “está desenvolvendo um restaurante social, com previsão de iniciar o funcionamento no ano que vem". De acordo com a Pasta, a ideia é que o equipamento funcione como uma experiência piloto, com o objetivo de ser replicado em outros espaços.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza


Redação 29 de Outubro de 2020