Servidora federal é assassinada

Legenda:
Foto:
Vítima foi encontrada com perfurações na garganta, pedaço de pano na boca e as mãos amarradas com um lacre

A funcionária pública federal Ana Rosa Pinheiro Regadas, 44 anos, foi assassinada com requintes de perversidade dentro de sua residência, na madrugada de ontem, num condomínio familiar localizado na Avenida Edilson Brasil Soarez, 1892, no bairro Água Fria (Zona Leste de Fortaleza).

Diretora regional de Secretaria da 6ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), a mulher foi encontrada sobre a cama, banhada de sangue, com perfurações na garganta, um pedaço de pano na boca e com as mãos amarradas para a frente com um lacre plástico.

A Polícia só foi acionada no início da manhã de sábado. O delegado plantonista do 2º Distrito Policial (DP), Sandoval Batista Freire, e outros policiais civis estiveram no local e colheram informações de que nenhum funcionário do condomínio foi rendido.

Além disso, os policiais constataram que não houve arrombamento na casa. Contudo, jóias, cartões de crédito e uma pequena quantia em dinheiro foram levados da residência da vítima.

Testemunha

A única testemunha do crime é a empregada doméstica Maria de Fátima da Silva, que foi levada para prestar depoimento no 2º DP. Ela ouviu gritos vindos do quarto da patroa e foi ver o que estava acontecendo, deparando-se com o assassino, um homem encapuzado.

A empregada doméstica foi empurrada pelo encapuzado para dentro do closet da casa, sendo trancada no local. De dentro do cativeiro, Maria de Fátima teria ouvido em alguns momentos o assassino afirmar: ´eu vou te matar´, dirigindo-se à funcionária pública.

Nervosa e assustada, a empregada doméstica só conseguiu libertar-se do cativeiro no início da manhã de sábado, informando familiares da vítima sobre o crime.

A Polícia já tem dois suspeitos para o assassinato. Um deles é um ex-funcionário do condomínio, que, anteriormente, furtou 12 cheques da funcionária pública e lhe fez ameaças.

O suspeito chegou a ser preso no início do ano passado, mas não permaneceu durante muito tempo detido. O delegado Sandoval Freire, responsável pelas primeiras investigações, não quis prestar maiores informações sobre o testemunho da empregada doméstica nem tecer comentários sobre as circunstâncias do homicídio.

Falando rapidamente à Imprensa, afirmou apenas que, a partir de amanhã, a Polícia deverá colher uma série de depoimentos de familiares e funcionários do condomínio na tentativa de elucidar a morte.

Transferência

Sandoval Freire confirmou que o caso vai ser transferido para o 26º DP (Edson Queiroz), cujo titular é o delegado José Lopes Filho, que é a delegacia responsável pela área.
Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança