Seis homens suspeitos da morte de criança e de casal são presos na Região Metropolitana de Fortaleza

Capturas ocorreram entre setembro do ano passado e a última sexta-feira (18)

Escrito por Redação,

Segurança
polícia civil ceará
Legenda: Prisões são fruto de ação integrada da Polícia Civil
Foto: Divulgação

Seis homens suspeitos de homicídios, sequestros e organização criminosa na Região Metropolitana de Fortaleza foram presos em uma força-tarefa das forças de segurança do Ceará. Entre os delitos atribuídos ao grupo estão a morte de uma criança em setembro de 2021 e um duplo homicídio dois meses depois.

Os crimes foram praticados pelo bando nos municípios de Aquiraz, Eusébio e Pindoretama. Já as prisões ocorreram entre setembro de 2021 e a semana passada. 

As capturas mais recentes por força de mandados de prisão são de José Mateus Rosendo da Silva, conhecido como "Barrão", de 26 anos, preso em Pindoretama no mês passado, e David Alves do Nascimento, o "Nego", detido na última sexta-feira no Eusébio. 

Foram presos ainda em fevereiro, no Eusébio, Caio Silva Matias, o "Caio Cobra", de 19 anos. No mesmo mês, em Aquiraz, a polícia também capturou Valdeirton Silva Costa, o "Deirton", de 34 anos, apontado como o chefe do grupo, e João Batista da Silva, 30, o "João da Bala". Em setembro, Leonardo Mariano dos Santos, "Branquinho", foi preso.

"Esse grupo foi autor da morte de uma criança de oito anos. Também participou do sequestro e da execução de um casal no Aquiraz. O grupo suspeitando que um determinado senhora teria repassado informação à polícia tentou tirar a vida dela. Nessa ação, foi que culminou na morte da criança", detalha o delegado Everardo Lima. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Somente "Nego" é investigado por envolvimento em cinco homicídios. Contra ele, os policiais cumpriram quatro mandados de prisão pelos crimes de homicídio, tráfico e organização criminosa.

"Os trabalhos na região seguem no sentido de identificar outros envolvidos com o grupo que estejam praticando crimes na região", diz nota conjunta da Coordenadoria de Inteligência (Coin) e da Polícia Civil do Ceará.