Oito pessoas são presas por venda ilícita de gás de cozinha no Crato

Suspeitos comercializam o produto sem autorização legal e em condições de armazenamento fora das normas de segurança

gás de cozinha
Legenda: Polícia apreendeu dezenas de botijões durante as vistorias
Foto: Divulgação/PC

Quinze comerciantes e empresários do Crato, na Região do Cariri, foram alvos na manhã desta sexta-feira (11) da Operação GLP Legal, que visa coibir a venda ilícita do gás liquefeito. Durante as vistorias, a Polícia Civil prendeu oito pessoas e retirou de circulação dezenas de botijões.

Segundo a corporação, os botijões de gás eram armazenados em ambientes fechados e sem os corredores de circulação. Falta de extintores de incêndio e treinamento dos transportadores também estão entre as normas de segurança violadas.

Os suspeitos começaram a ser investigados no último mês de abril, ocasião em que a Polícia Civil identificou o comércio irregular de gás de cozinha. Os pontos de revenda não tinham autorização legal para funcionar e o serviço de entrega era inadequado.

"As investigações agora prosseguirão a fim de identificar os fornecedores de recipientes de GLP cheios para os pontos de revenda ilegais", informou em nota a Polícia Civil. 

Prevenção a acidentes 

O subcomandante do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros, tenente-coronel Edir Paixão, alertou que o consumidor deve verificar se os pontos de revenda possuem Certificado de Conformidade. Este documento, emitido somente após a checagem das normas de segurança, deve ficar impresso na recepção dos estabelecimentos e disponível para consulta. 

Quanto ao uso doméstico, a orientação do tenente-coronel é que o gás de cozinha seja armazenado fora das residências ou canalizado em apartamentos para evitar acidentes de larga escala. 

"A gente pede que o botijão de gás esteja pelo lado de fora das casas, obviamente tem um risco de furto, mas a gente orienta que seja colocado dentro de uma casinha com porta vazada e exista ventilação. Se for apartamento, é recomendado ser de parede, canalizado", explica.

 


 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança