Homem que espancou e tentou matar ex-namorada em Boa Viagem é preso

Pedro Henrique Lopes Rodrigues possui histórico de assédio e violência contra a vítima

Escrito por Redação,

Segurança
Mulher sofreu mordidas e socos
Legenda: Mulher sofreu mordidas e socos
Foto: Arquivo Pessoal

O homem que trancou a ex-namorada e a espancou em um depósito de Boa Viagem, Interior do Ceará, foi preso nesta terça-feira (4) em Canindé pela Polícia Civil do Ceará (PC-CE), após ter a prisão preventiva decretada pela Justiça. O mandado foi expedido pela 1ª Vara da Comarca do município cearense no domingo (3).

O crime ocorreu na última sexta-feira (1º). Pedro Henrique Lopes Rodrigues possui histórico de assédio e violência contra a vítima. Em janeiro deste ano, medidas protetivas foram deferidas em favor da vítima.

O encarceramento do agressor foi decretado pelo juiz Ramon Beserra da Veiga Pessoa, após pedido do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE). 

Conforme a denúncia, a tentativa de feminicídio ainda conta com motivo torpe. O homem perseguia a vítima pois não aceitava o fim do relacionamento. A jovem de 22 anos falou que ele a observava no trabalho. 

"Após as oitivas, a Delegacia Municipal de Boa Viagem representou pela prisão preventiva junto ao Poder Judiciário, que prontamente atendeu o pedido, emitindo a determinação da Comarca de Boa Viagem. O suspeito foi preso na tarde desta segunda-feira (4), no município de Canindé. Agora o homem encontra-se à disposição da Justiça", informou a PC-CE.

Violência 

Pedro Henrique tentou matar a ex-companheira com golpes no rosto, murros, empurrões, tapas, chutes e até mordidas, segundo consta nos autos judiciais. A vítima relatou a situação à TV Verdes Mares. 

"Eu abri o portão e rapidamente corri pra rua. Só que quando eu abri o portão fez barulho, ele rapidamente virou e me puxou pelo braço e cabelo e me jogou no estabelecimento dele, que é uma rua atrás da minha casa", disse a mulher. 

Ela conseguiu fugir e se esconder para não ser morta. Segundo o juiz, "o relato dos fatos por si só, já se presta a evidenciar o risco concreto à integridade física e psicológica da vítima se em liberdade estiver o representado".

"As informações fornecidas pela vítima podem indicar que ela está envolvida em ciclo de violência próprio das relações afetivas, e a intervenção estatal se faz necessária para garantir sua segurança, e ampará-la na tentativa de romper esse ciclo", destacou o MP.

A cearense já tinha uma medida protetiva contra o homem antes mesmo das novas agressões. "Começou com palavras violentas, xingamentos, depois com puxão de cabelo, empurrão, pegando forte nos braços e depois partir para agressão de bater", relatou a empresária.