Adolescente atraiu professor vítima de latrocínio a local do crime, conclui Polícia

Homicídio aconteceu no último dia 24 de setembro. Estavam envolvidos no crime dois adultos e dois adolescentes

Escrito por Redação,

Segurança
Professor foi vítima de uma emboscada arquitetada por pelo menos quatro pessoas, sendo dois adultos e dois adolescentes.
Legenda: Professor foi vítima de uma emboscada arquitetada por pelo menos quatro pessoas, sendo dois adultos e dois adolescentes.
Foto: Arquivo pessoal

A Polícia Civil concluiu e comunicou nesta terça-feira (5) que o assassinato do professor Marcos Aurélio Marques, 49, na Granja Portugal, resultou de um latrocínio. Até então, pela forma brutal como o educador foi morto, amigos e familiares suspeitavam que o crime teria sido de ódio, motivado pela orientação sexual de Marcos Aurélio, que era homossexual. 

De acordo com Rodrigo Jataí, delegado responsável pela 2ª Delegacia de Homicídios, Marcos Aurélio foi atraído ao local do crime por um adolescente com quem trocou mensagens pelas redes sociais após se conhecerem em uma festa. 

No dia 24 de setembro, o adolescente chamou a vítima para sua casa, onde já havia planejado roubar os pertences de Marcos Aurélio. “Ele combinou com duas pessoas, o [Antônio Alves dos Santos] Neto e o outro adolescente, para aguardarem no interior do banheiro da casa. No momento em que a vítima chegou, foi rendida e amarrada”, conta o delegado. 

O professor foi obrigado a informar as senhas de cartões de crédito e débito. Depois disso, o grupo foi à casa de outra pessoa, que possuía uma maquineta de cartão, e efetuou diversas transações. Em seguida, voltaram à casa onde mantinham Marcos refém, o estrangularam e o mataram. O corpo foi colocado no carro do próprio professor, abandonado em um matagal na Granja Portugal.  

“Nenhuma relação [com crime de homofobia]”, afirmou Jataí, em coletiva para a imprensa. No entanto, o delegado detalhou a brutalidade do homicídio: “De acordo com a investigação, um dos adolescentes foi responsável por tracionar a corda no pescoço da vítima, enquanto o outro adolescente chutava e socava, e o Antônio Igor [Alves da Silva] colocava um saco no rosto da vítima. O Neto presenciou todo o fato e também manteve a vítima em cárcere”. 

Carro e celular 

Encontrar o carro e o celular da vítima foi essencial para a Polícia desvendar o crime. O veículo foi achado vazio, sem nenhum pertence, no dia 26, dois dias após o homicídio e um dia após o corpo de Marcos ser encontrado no matagal.  

Já o celular da vítima foi encontrado na posse de uma pessoa que o adquiriu por um preço módico, sem saber da procedência, num site de compras e vendas online. 

Prisões 

Antônio Alves dos Santos Neto, 27, e o irmão dele, Antônio Igor Alves da Silva, 26, bem como os dois adolescentes envolvidos no crime, foram presos e apreendidos, respectivamente, pela Polícia, em duas operações feitas na última sexta-feira (1ª) e ontem (4).  

Conforme Rodrigo Jataí, Antônio Neto, que responde por tráfico de drogas, já tinha mandado de prisão em aberto por outro homicídio na Granja Portugal. Igor responde por outro roubo. 

Os adolescentes foram encaminhados à Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA), onde estão apreendidos.

Todos os suspeitos devem responder por homicídio qualificado provocado por motivo torpe, restrição de liberdade e impossibilidade de defesa da vítima.