Chove em mais de 55 cidades cearenses pelo sétimo dia consecutivo

Entre as 7 horas desta quarta-feira (20) e 7 horas de hoje (21), a Funceme registrou pluviometria em 62 municípios do Estado 

Legenda: A previsão, até o próximo sábado (23), é de nebulosidade variável e possibilidade de chuva em todas as regiões
Foto: Foto: Arquivo/Diário do Nordeste

Após a primeira quinzena de maio apresentar poucas precipitações, a segunda metade do mês tem até o momento quadro oposto. Pelo sétimo dia consecutivo choveu em mais de 55 cidades cearenses. Entre as 7 horas desta quarta-feira (20) e 7 horas de hoje (21), a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) registrou pluviometria em 62 municípios. 

As dez maiores chuvas foram observadas em Aquiraz (78mm), Fortaleza (65.2mm), Caucaia (46.6mm), Amontada de Icaraí (37mm), Ipu (37mm), São Gonçalo do Amarante (33mm), Viçosa do Ceará (30.2mm), Quixeramobim (30mm) Paracuru (29mm) e Iracema (29mm).

Nesta segunda quinzena, a maior quantidade de cidades onde foram registradas precipitações ocorreu no domingo passado (17), com 99 registros com chuvas que chegaram até 74mm, em Boa Viagem. Neste o último mês da quadra chuvosa (fevereiro a maio) a tendência é de chuvas reduzidas. A média histórica para o período é de 90.6 milímetros. Os dados parciais da Funceme indicam que até o momento foram registrados em média no Estado 34.4mm. Esse índice representa um déficit de 62%.

A gerente de meteorologia da Funceme, Meiry Sakamoto, explica que a Zona de Convergência Intertropical continua afastada da costa cearense e não tem influenciado as chuvas registradas desde o último dia 15. “As chuvas observadas nos últimos dias decorrem de áreas de instabilidade no Oceano Atlântico e no setor Leste da região Nordeste”. Ainda conforme o órgão, a previsão, até o próximo sábado (23), é de nebulosidade variável e possibilidade de chuva em todas as regiões.

Agricultura

O presidente do Sindicato Rural, entidade patronal, de Quixeramobim, Cirilo Vidal, observou que as últimas chuvas que banharam a região do Sertão Central favoreceram o plantio de milho e de sorgo forrageiro. “Algumas plantações estavam sofrendo, havia risco de perda elevada do cultivo, que é usado para alimentação do rebanho, formação de silagem para os bovinos”, explicou. “Agora com essas últimas chuvas, o quadro mudou e a plantação está segura”.

Na região Centro-Sul do Ceará, em Cedro, os agricultores e técnicos estão otimistas com a boa safra de grãos devido aos bons volumes pluviométricos. “Está sendo um grande inverno. Os açudes estão cheios e teremos uma excelente safra, a maior dos últimos oito anos”, disse o secretário de Agricultura, Manoel Bezerra. “Não há o que reclamar”.

O agricultor de base familiar, Erivan Sales, plantou um hectare e meio de milho e feijão-de-corda consorciados, na localidade de Gadelha, na zona rural de Iguatu e os resultados são positivos. “O feijão já colhi e o milho está seguro para o fim do mês”, disse. “Não esperava um inverno tão bom como o deste ano”.